Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2011

Geografia

Eu vi nos seus olhos a cor do meu destino,
Luz de sol nascente por trás de tênue cortina.
Me despiu a alma, e com calma leu meus pensamentos.
Sedução tão bela como a curva dos teus traços.
Mergulhei em abraços de promessas já não ditas.
Beleza tão crua, pura e certa,
Traz a guarda aberta.
Desperta para o mundo
Refinada obra de detalhes tão precisos.

Perdi meus olhares nos seus delicados gestos.
A sua certeza é tão forte e tão presente,
E me consente a vontade de partilhar seus sonhos.
O seu sorriso tem o sabor da poesia,
Suave fantasia que ilumina os meus versos.
O meu desejo é do tom da sua pele,
Como a paixão tem a cor dos seus cabelos.

Mojopina, Before Sunset, Before Sunrise, Alta Fidelidade e Nick Hornby

Essa ilustração não foi feita por mim, e sim por uma artista chamada Mojopina. É de uma cena de um filme chamado Before Sunset (Antes do Pôr-do-Sol), sequência de outro filme: Before Sunrise (Antes do Amanhecer).           Esses dois filmes esplêndidos, dirigidos e escritos por Richard Linklater, refletem grande parte do que eu sou. E eu gostaria muito que fossem obras minhas, tanta é a similaridade. São meus filmes de cabeceira, já os assisti umas dezenas de vezes. Outro dia eu falo sobre eles.           Essa ideia, de uma obra qualquer que reflita ou represente o que você é, eu li num livro do grande Nick Hornby: 31 Canções. Isso me deixou pensando bastante, principalmente porque ao ler Alta Fidelidade, do próprio Hornby, eu me vi no livro. Rob Gordon tem muito de mim, ou eu tenho muito dele. Logo comecei a pensar nos filmes, músicas e outros livros em que houve uma identificação desse tamanho. Mas não apareceram muitos, só estes dois filmes, e o Alta Fidelidade.           É …

Sussurro

Eu sempre me perco nos seus olhos,
Sigo o embalo das suas curvas,
Acabando afogado em úmidos sussurros
Nos seus lábios entreabertos.

Eu sempre sonho
Cada vez que te beijo.
Viajo suavemente
Em suas palavras abafadas.

A cada carinho,
Cada doce tortura,
Você mais me domina,
Conquista, morde meu coração.

Olhares ensandecidos,
Beijos ardentes,
Palavras úmidas
E mãos arfantes.

Lágrimas correndo,
Tentando vencer o grito mudo de prazer,
E morrendo em seu queixo,
Misturadas ao suor, também salgado.

Eu te abraço muito forte,
Querendo te unir a mim.
Você sussurra em minh'alma,
E tudo se completa.

Um Sonho de Você

Olhe nos meus olhos.
Sussurre palavras úmidas
Que só eu posso ouvir.
Me deixe sentir o leve tremor
De suas mãos sobre minha pele.

Meu coração está encolhido,
Como sonhos num travesseiro,
À espera da plenitude envolvente da noite,
À espera de um sonho de você.

A música da sua voz é docemente ácida,
E me faz flutuar em roucos devaneios.
Minha paixão transborda,
Molhada como um beijo,
Gotejando por todo colchão,
como lágrimas perdidas.

Quentes como um cobertor,
Seus lábios envolvem minha vontade,
Deixando-a presa em seus etéreos carinhos.
Nada é tão intenso que não me deixe mergulhar
Fundo na sua presença radiante.

Algo em mim toma forma.
Meu coração se abre em pedaços,
Deixando fluir uma tórrida onda,
Rubra como a paixão dos vencidos.

E, tomado de assalto,
Percebo que sou totalmente seu.

À Deriva...

O céu cor de caramelo escurece calmamente,
Assim como a minha alegria.
Ter a felicidade ao seu alcance,
E não poder tocá-la, entristece.
É assim que a vejo:
Uma roupa em uma vitrine
Que nunca usarei.
Mesmo todo carinho e calor
Que você me deu são vãos,
Emprestados.
Só na minha memória,
Sobrevivem intocados.

Deixa então, o sono te abraçar,
Como eu gostaria de fazer.
E acariciar seus cabelos,
Envoltos em doces sonhos.
Eu te beijo à distância,
Sem você notar,
E te desejo um mundo de felicidade.
E como te desejo!

Deixo o tempo soprar as minhas velas,
E rezo para que um dia,
Eu venha naufragar nas suas praias,
Balançar nas suas ondas.

Por enquanto fico à deriva,
Muito próximo,
E tão distante de você.

Começando...

Escrevo há muito tempo. Desde que comecei a entender o que é um texto, tomei gosto e não parei mais. Por muito anos escrevi poemas e textos curtos. Nos tempos do colégio, vibrava quando o tema da redação era livre, e eu podia escrever uma narrativa, em vez das dissertações de sempre.
Na faculdade, escrevi bastante, em diversos formatos, principalmente roteiros (sou formado em cinema). Depois, por ler muito, foi crescendo a vontade de escrever um livro. Mas levei anos amadurecendo a cabeça e as ideias. Hoje, estou escrevendo dois livros: meu primeiro romance, e um projeto a quatro mãos com meu amigo músico e escritor Maurício Gomyde.  

Àqueles que quiserem embarcar na minha viagem: bem vindos a bordo!