Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2012

Kate Nash

Desde a primeira vez que ouvi essa ruivinha inglesa, adorei sua voz, seu jeito de cantar, e principalmente suas músicas um tanto confessionais, com um humor meio torto. O som dela não é muito pop, tem um pé nos anos 80 e um forte sotaque britânico. Não é uma unanimidade como a Adele, mas é muito divertido!

      A canção "Foundations", do primeiro álbum dela, "Made Of Bricks", de 2007, chegou a tocar por aí é tem uma letra muito boa, falando sobre separação, e é a minha favorita. Outra do mesmo disco que eu gosto muito é "Mouthwash".

      O segundo álbum dela foi lançado em 2010, "My Best Friend Is You", com os destaques para "Do-Wah-Doo", "Kiss That Grrrl" e "Take Me To A Higher Place", que é mais rock'n roll..

      Neste ano ela lançou o single "Under-Estimate The Girl" num estilo alt-rock, bem diferente do que ela fazia. E tem o lançamento de um EP para este mês, sendo uma prévia do terceir…

Janie Jones - A Caminho da Felicidade

Este longa-metragem foi lançado aqui no Brasil sem nenhuma divulgação, e acabou me despertando o interesse pelo contexto musical, mas tive uma imensa surpresa: o filme é muito bom! 

      Na trama, uma garota de 13 anos, Janie Jones (Abigail Breslin) é levada pela mãe, viciada em drogas, (Elisabeth Shue) para conhecer seu pai, Ethan Brand (Alessandro Nivola), um decadente band leader. Mas a mãe acaba sumindo, deixando a filha para o pai cuidar por um tempo, enquanto ela se livra do vício. Em meio à inaptidão de Ethan como pai e uma certa rejeição quanto à sua filha Janie, eles se aproximam, enquanto a banda dele acaba.

      Mesmo a história não sendo muito original, o filme conquista pelas ótimas interpretações e pela excelente trilha sonora alt-country da banda Clem Snide. A sintonia entre a dupla central, pai e filha, é vibrante, principalmente nos momentos em que a música fala mais alto, e percebe-se que o talento musical é hereditário.

     O diretor David M. Rosenthal sou…

A Sombra Do Vento - Carlos Ruiz Zafón

Estupendo! Maravilhoso! Clássico! Muitos são os elogios, todos merecidos, que já foram feitos a esse romance best-seller. De minha parte, corro o risco de chover no molhado, mas não pude deixar de comentar esse livro excepcional.

      Pouquíssimos livros conseguem juntar uma excelente história, com personagens vibrantes no universo dos livros. O romance trata com paixão tanto a escrita quanto a leitura, numa trama que junta tudo de forma maestral.        No enredo do livro, o menino Daniel Sempere é levado pelo pai, que é um livreiro, ao Cemitério dos Livros Esquecidos. Lá ele encontra o último exemplar de "A Sombra do Vento", escrito por Julián Carax. O menino se apaixona pelo romance e busca saber mais sobre o desconhecido autor, e acaba descobrindo que os livros remanescentes de Carax foram destruídos por alguém. Em meio á busca, Daniel se envolve cada vez mais numa trama complexa, com vários personagens ligados ao autor desaparecido no passado.
Carlos Ruiz Zafón