Pular para o conteúdo principal

Crônicas - Volume Um - Bob Dylan

     Alguns livros são tão bons, que se tem ânsia de devorá-los e avançar a leitura o mais rápido possível para adentrar cada vez mais naquele universo. Outros, de tão deliciosos, dão vontade de se demorar muito mais, como se saboreando um ótimo vinho. Este é o caso de "Crônicas" do lendário Bob Dylan. Percebe-se de imediato, que sua alquimia com as palavras vai além das letras de suas canções. O texto é tão bom, tão cheio de nuances, riqueza e poesia, que tenta-se economizar na leitura, para o livro durar mais.


      Com 50 anos de carreira completados em 2012, e quase 50 álbuns oficiais, Bob Dylan é um dos maiores nomes da música de todos os tempos. Lenda viva inegável, sua maior criação foi ele mesmo, se reinventando ao longo de sua carreira. Isto ele deixa bem explícito no livro, principalmente ao contar seu início em Nova Iorque, e as gravações dos álbuns "New Morning" e "Oh Mercy".
       O livro não é exatamente uma autobiografia, é mais um auto-retrato em diversas épocas, porque ele não procura contar sua trajetória. Sua abordagem não é linear, mudando de foco constantemente dos fatos para suas impressões sobre o mundo e as pessoas ao seu redor. 


      Em "Crônicas - Volume Um", Dylan dedica cada capítulo a um período de sua vida, mas deixando vários anos sem um único comentário. Fora a curiosidade pelos próximos "Volumes" (serão três ao todo), fica a vontade de adentrar novamente no mundo poético e singular de um dos maiores criadores/pensadores da música.
      Como Eduardo Bueno coloca muito bem no Posfácio do livro: "Se Elvis liberara o corpo, Dylan libertou a mente. Dylan não inventou o rock - ele apenas lhe deu um cérebro." É uma obra fundamental para todos os fãs, dele ou da música pop dos últimos 50 anos. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Janie Jones - A Caminho da Felicidade

Este longa-metragem foi lançado aqui no Brasil sem nenhuma divulgação, e acabou me despertando o interesse pelo contexto musical, mas tive uma imensa surpresa: o filme é muito bom! 

      Na trama, uma garota de 13 anos, Janie Jones (Abigail Breslin) é levada pela mãe, viciada em drogas, (Elisabeth Shue) para conhecer seu pai, Ethan Brand (Alessandro Nivola), um decadente band leader. Mas a mãe acaba sumindo, deixando a filha para o pai cuidar por um tempo, enquanto ela se livra do vício. Em meio à inaptidão de Ethan como pai e uma certa rejeição quanto à sua filha Janie, eles se aproximam, enquanto a banda dele acaba.

      Mesmo a história não sendo muito original, o filme conquista pelas ótimas interpretações e pela excelente trilha sonora alt-country da banda Clem Snide. A sintonia entre a dupla central, pai e filha, é vibrante, principalmente nos momentos em que a música fala mais alto, e percebe-se que o talento musical é hereditário.

     O diretor David M. Rosenthal sou…

How I Met Your Mother

Desde o início das séries de tv, um gênero que sempre rendeu boas histórias e personagens é o que aborda os encontros e desencontros da vida de solteiro. Seriados sobre grupos de amigos como "Friends" e "Seinfeld" bateram diversos recordes e conquistaram milhões de fãs pelo mundo.

      Um grande candidato a ser imortalizado é "How I Met Your Mother", literalmente: Como Eu Conheci Sua Mãe. Partindo do relato de um pai para seus filhos em 2030, de como conheceu a mãe deles. Ted, o pai, conta  suas aventuras de solteiro em Nova Iorque com seu grupo de amigos, suas ex-namoradas e casos, enquanto ele não encontra a mulher ideal para casar.

      Os personagens do seriado são muito bons e interpretados por atores muito carismáticos. Nos EUA, o programa é muito popular e já está na sétima temporada. Várias personalidades já fizeram participações, entre elas: Britney Spears, Katy Perry, Jennifer Lopez, Jorge Garcia (Hurley de Lost) e Amanda Peet. No Brasil f…

Mallu Magalhães - Pitanga

Mallu Magalhães cresceu e amadureceu, e não apenas fisicamente como pode se perceber na foto. Sua música evoluiu bastante, com claras influências de seu namorado, Marcelo Camelo. E seu último disco, "Pitanga", é delicioso.

      Depois de surgir aos 15 anos como um novíssimo talento da música, e toda super-exposição que veio a seguir, Mallu lançou dois bons discos homônimos. Mas ambos álbuns são baseados em seu estilo voz e violão, com poucas variações, principalmente no segundo, onde ensaia algumas mudanças.

      Neste seu terceiro disco, "Pitanga", Mallu mostra todo seu potencial como cantora e compositora. Destaque para as deliciosas "Baby I'm Sure", "Velha e Louca" e "Sambinha Bom".       Seguem alguns clipes dessas músicas e um belo teaser do álbum "Pitanga" feito por Camelo, exaltando sua musa.