Pular para o conteúdo principal

Let's Get Lost - Chet Baker

      Chet Baker foi um dos maiores músicos de jazz da história. Cantor e trompetista fenomenal, menos virtuoso e muito mais cool que boa parte dos jazzístas da época. Ele transbordava sensibilidade e musicalidade em sua obra. E esse documentário maravilhoso faz jus a seu imenso talento. 


      Todo em preto e branco, com belíssimas imagens, o filme é mais poético que documental. Ele traça toda a turbulenta história de Chet de forma não linear, não se preocupando de início em contar a vida dele, mas em seduzir o espectador com sua música e seu charme. 
      Os depoimentos são intercalados por cenas de Chet cercado de mulheres e admiradores (entre eles um Flea garotão), e a bordo de um Cadillac conversível, além de muitas imagens dele jovem. As partes mais duras do histórico do jazzista são deixadas para o final: suas prisões, o vício em heroína, o incidente que o fez perder vários dentes e o abandono da ex-mulher e seus quatro filhos. 

      Mas o diretor não busca levantar a verdade ou esclarecer os fatos, tudo é deixado no ar, com um leve ar de incerteza, como a personalidade do próprio Chet Baker. Esse era um efeito que ele causava nas pessoas, além de encantá-las. E percebe-se isso, mesmo nas entrevistas das ex-esposas que mesclam mágoa com carinho e admiração. 
      Chet gravou mais de 250 discos, entre álbuns solo e participações. Era bonitão, charmoso, outsider e talentosíssimo! Inspirou filmes e tocou com meio mundo. Criou um diferencial na forma de cantar, meio sussurrado, que muitos dizem ter influenciado João Gilberto e sua Bossa Nova. Foi do céu ao inferno, sendo preso, agredido, ficando sem dinheiro, e tocando aqui e ali para sobreviver e custear seu vício.


      Esse documentário, dirigido por Bruce Weber é de 1988. Poucos meses depois do filme pronto, Chet Baker faleceu em Amsterdã, despencando da janela de um hotel...
       Segue um trecho em que ele canta "Almost Blue" durante o festival de Cannes. Esplêndido!
   

      Abaixo, a primeira parte do longa-metragem para quem se empolgou. Se alguém quiser baixar, me avise, que eu disponibilizo o link nos comentários.


Comentários

Milena Torres disse…
ei robson. tudo bem? eu tenho interesse em baixar o documentário completo. pode me fornecer o link?
Obrigada. Um abraço
Robson Batt disse…
O documentário está em duas partes. É só baixar e descompactar. A legenda está separada.
Seguem os três links:
Parte 1 http://www.megaupload.com/?d=575ICK12
Parte 2 http://www.megaupload.com/?d=KQRZBG6F
Legenda http://www.megaupload.com/?d=W1K0DTL4

Aproveite, o filme é ótimo!
Guilherme disse…
Robson será que vc poderia disponibilizar novamente o documentário, estou na ânsia de assistir esse filme a muito tempo e não tenho achado... fico grato !
Robson Batt disse…
Oi, Guilherme!
Como o Megaupload saiu do ar, procurei outro link:
http://www.filestube.com/8dFSb89bMpihkzOz3eTSpP/Let-s-Get-Lost-1988-avi-006.html
Está em 8 partes.
Se você preferir torrent:
http://thepiratebay.se/torrent/5413425/Let_s_Get_Lost_(1988)[Chet_Baker_docu].DVDRip.x264-BeLLBoY
A legenda você pode baixar aqui:
http://legendas.tv/info.php?d=3fd8d2e4126d48c922dcbdb29f1fa01e
Abraços

Postagens mais visitadas deste blog

How I Met Your Mother

Desde o início das séries de tv, um gênero que sempre rendeu boas histórias e personagens é o que aborda os encontros e desencontros da vida de solteiro. Seriados sobre grupos de amigos como "Friends" e "Seinfeld" bateram diversos recordes e conquistaram milhões de fãs pelo mundo.

      Um grande candidato a ser imortalizado é "How I Met Your Mother", literalmente: Como Eu Conheci Sua Mãe. Partindo do relato de um pai para seus filhos em 2030, de como conheceu a mãe deles. Ted, o pai, conta  suas aventuras de solteiro em Nova Iorque com seu grupo de amigos, suas ex-namoradas e casos, enquanto ele não encontra a mulher ideal para casar.

      Os personagens do seriado são muito bons e interpretados por atores muito carismáticos. Nos EUA, o programa é muito popular e já está na sétima temporada. Várias personalidades já fizeram participações, entre elas: Britney Spears, Katy Perry, Jennifer Lopez, Jorge Garcia (Hurley de Lost) e Amanda Peet. No Brasil f…

Ayo - Joyful + Gravity At Last + Billie-Eve

Esta cantora alemã/nigeriana não é muito conhecida por aqui. Mas é um imenso talento já aclamado na Europa. Ouvi sua música pela primeira vez há alguns anos, quando baixei seu excelente álbum "Joyful", de 2006. Este inclusive, recebeu diversos discos de ouro e platina no velho continente.

      Na verdade é até difícil dizer qual de seus três discos é o melhor. Em todos ela imprime elegância e personalidade com sua bela e marcante voz. Passeando por diversas vertentes, suas canções flertam com o reggae, soul, blues, e até com o rock. 

      Mas o segundo, "Gravity At Last" (2008) é definitivamente o mais conciso, mesclando reggae e música africana. O terceiro trabalho lançado, "Billie-Eve" (2011), tem o nome de sua filha e é o mais pop entre eles.

      Destaque para as canções "Down On My Knees" do primeiro álbum, "Change" do segundo, e a contagiante "We've Got To" do terceiro. Além de uma ótima versão de "I …

Jackson Pollock - A História (De Mentira)

Jackson Pollock foi um pintor norte-americano expressionista abstrato. Inovador, ele não usava pincéis ou cavalete. Sua técnica consistia em gotejar ou espalhar a tinta sobre a tela com diversos instrumentos, estando ela no chão. Esta forma de pintura se chama action painting ou gestualismo.

      As obras dele são densas, cheias de nuances. Nunca vi um quadro dele pessoalmente, mas em foto, o efeito das camadas de tinta é de uma textura rica, com profundidade. Adoro arte abstrata! Minha mãe é artista plástica e eu gostaria muito de ter herdado esse talento dela.       Abaixo, algumas telas de Pollock:



     No excelente site sobre arte, mídias e tendências: updateordie.com, vi esta bela animação francesa de Léo Verrier. Uma homenagem em curta-metragem a esse grande artista, Jackson Pollock. Deslumbrante!
Dripped from ChezEddy on Vimeo.