Pular para o conteúdo principal

Fé e Ceticismo

   Em uma postagem anterior, falei um pouco sobre Crença e Convicção. Vou retomar o assunto com uma visão um pouco diferente, falando sobre Ceticismo e Fé.

   Retomando um pouco, eu disse que: Os Convictos, frente a uma prova incontestável, acabam mudando sua Convicção. Já os Crentes, frente à mesma situação, não acreditam nos fatos que abalam sua Crença.

   A visão acima é extremamente lógica e faz todo o sentido num mundo em que as coisas que nos desafiam são palpáveis e visíveis. Nortearmos nossa vida pela que possa ser comprovado passou a ser quase uma religião nas últimas décadas. Somos céticos sobre quase tudo até que se prove o contrário. Do início dos anos 80 até a primeira década dos anos 2000, veio uma grande onda de informação e clareza, principalmente por todo avanço tecnológico. Um novo "Iluminismo" surgiu!

   Mas, isso tem mudado um pouco nos últimos anos. O principal motivo é que o Ceticismo é duro e frio, não é uma boa base para uma vida feliz. Tudo é ou não é. O ato de se questionar tudo e querer entender o porquê das coisas é absolutamente saudável e faz parte da humanidade. Não teríamos progredido tanto cientificamente sem isso. 

    O maior problema é que a vida, quando analisada objetivamente, não tem muito sentido. E o que faz sentido, muitas vezes não é animador, é frio, triste e até cruel. 


  Por isso, por mais que o mundo seja científico e plausível, nós continuamos buscando o inexplicável. A fé sempre esteve presente na vida do homem, desde os primórdios.  E continuará presente, por que faz parte da humanidade, além de entender, também transcender!

    A vida de quem tem Fé em algo maior é mais aconchegante. Por mais que enfrentemos crueldades e enxerguemos a frieza de que o mundo é um caos, que tudo acontece por acaso. E que o que faz sentido tem sua causalidade científica. Ainda assim, com uma Crença em algo maior, algo transcendental, as coisas fazem mais sentido (por mais que sem sentido que isso possa parecer)!

   Como já disse anteriormente aqui, eu Creio em Deus! E a cada dia consigo ser uma pessoa um pouquinho melhor do que era antes por causa disso, tentando entender a lógica do mundo, e acreditando que a vida pode melhorar!


   " Quem questiona muito, a vida não entende" (Fernando Pessoa)


   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

How I Met Your Mother

Desde o início das séries de tv, um gênero que sempre rendeu boas histórias e personagens é o que aborda os encontros e desencontros da vida de solteiro. Seriados sobre grupos de amigos como "Friends" e "Seinfeld" bateram diversos recordes e conquistaram milhões de fãs pelo mundo.

      Um grande candidato a ser imortalizado é "How I Met Your Mother", literalmente: Como Eu Conheci Sua Mãe. Partindo do relato de um pai para seus filhos em 2030, de como conheceu a mãe deles. Ted, o pai, conta  suas aventuras de solteiro em Nova Iorque com seu grupo de amigos, suas ex-namoradas e casos, enquanto ele não encontra a mulher ideal para casar.

      Os personagens do seriado são muito bons e interpretados por atores muito carismáticos. Nos EUA, o programa é muito popular e já está na sétima temporada. Várias personalidades já fizeram participações, entre elas: Britney Spears, Katy Perry, Jennifer Lopez, Jorge Garcia (Hurley de Lost) e Amanda Peet. No Brasil f…

Jackson Pollock - A História (De Mentira)

Jackson Pollock foi um pintor norte-americano expressionista abstrato. Inovador, ele não usava pincéis ou cavalete. Sua técnica consistia em gotejar ou espalhar a tinta sobre a tela com diversos instrumentos, estando ela no chão. Esta forma de pintura se chama action painting ou gestualismo.

      As obras dele são densas, cheias de nuances. Nunca vi um quadro dele pessoalmente, mas em foto, o efeito das camadas de tinta é de uma textura rica, com profundidade. Adoro arte abstrata! Minha mãe é artista plástica e eu gostaria muito de ter herdado esse talento dela.       Abaixo, algumas telas de Pollock:



     No excelente site sobre arte, mídias e tendências: updateordie.com, vi esta bela animação francesa de Léo Verrier. Uma homenagem em curta-metragem a esse grande artista, Jackson Pollock. Deslumbrante!
Dripped from ChezEddy on Vimeo.

Mallu Magalhães - Pitanga

Mallu Magalhães cresceu e amadureceu, e não apenas fisicamente como pode se perceber na foto. Sua música evoluiu bastante, com claras influências de seu namorado, Marcelo Camelo. E seu último disco, "Pitanga", é delicioso.

      Depois de surgir aos 15 anos como um novíssimo talento da música, e toda super-exposição que veio a seguir, Mallu lançou dois bons discos homônimos. Mas ambos álbuns são baseados em seu estilo voz e violão, com poucas variações, principalmente no segundo, onde ensaia algumas mudanças.

      Neste seu terceiro disco, "Pitanga", Mallu mostra todo seu potencial como cantora e compositora. Destaque para as deliciosas "Baby I'm Sure", "Velha e Louca" e "Sambinha Bom".       Seguem alguns clipes dessas músicas e um belo teaser do álbum "Pitanga" feito por Camelo, exaltando sua musa.