Pular para o conteúdo principal

Rock Brasília - Era De Ouro

      Sou viciado em música e aficionado pelo rock de Brasília dos anos 80. Já li todos os livros publicados sobre a cena ou sobre as bandas (eu acho!). Então, quando eu soube do documentário "Rock Brasília - Era De Ouro" já fiquei de prontidão esperando o lançamento.


      Assisti ao filme cheio de vontade, e fiquei ao mesmo tempo maravilhado com cenas raras e depoimentos históricos, quanto decepcionado com o formato antiquado de narrativa e montagem. Mesmo eu tendo gostado muito, o documentário soa datado, como se fosse feito há uns 15 anos atrás. Depois de assistir a belas obras como: "Simonal - Ninguém Sabe o Duro Que Dei" e "Herbert De Perto", que usam uma estética mais moderna, o estilo mais tradicional do cinema documental pesa um pouco, principalmente para o público mais novo.


      Também achei que o filme trata muitas das histórias como se fossem bem conhecidas do público em geral. Quando na verdade são de conhecimento mais do povo de Brasília. De qualquer forma é um belo filme e documento essencial da cultura pop e musical da capital do país. É impressionante a visão do diretor Vladimir Carvalho ao registrar ao longo de duas décadas as entrevistas e imagens que fazem parte deste documentário. Vale a pena!


Comentários

Eu adorei o filme e concordo com tudo o que você notou. A estética é do Carvalho, datada mesmo. O documentário foi muito mais jornalístico do que pensei. Me surpreendeu, pois achava que seria algo mais emocional. Fiquei com dó dos caras por eles terem atingido o auge e virem surgir sarney e collor... também achei um filme difícil para quem não é de Brasília... mas fundamental para entender os anos 80 e 90... e lutar para que caras como sarney e collor não voltem nunca mais!!! Ops, eles já voltaram!!! Aliás, no caso do Sirney, ele nunca saiu de cena ;-)
Robson Batt disse…
Valeu pelos comentários inteligentes! Será que a gente ainda vai ouvir nossos netos cantando "Que País É Este?" e achando a música atual?
Abs!

Postagens mais visitadas deste blog

How I Met Your Mother

Desde o início das séries de tv, um gênero que sempre rendeu boas histórias e personagens é o que aborda os encontros e desencontros da vida de solteiro. Seriados sobre grupos de amigos como "Friends" e "Seinfeld" bateram diversos recordes e conquistaram milhões de fãs pelo mundo.

      Um grande candidato a ser imortalizado é "How I Met Your Mother", literalmente: Como Eu Conheci Sua Mãe. Partindo do relato de um pai para seus filhos em 2030, de como conheceu a mãe deles. Ted, o pai, conta  suas aventuras de solteiro em Nova Iorque com seu grupo de amigos, suas ex-namoradas e casos, enquanto ele não encontra a mulher ideal para casar.

      Os personagens do seriado são muito bons e interpretados por atores muito carismáticos. Nos EUA, o programa é muito popular e já está na sétima temporada. Várias personalidades já fizeram participações, entre elas: Britney Spears, Katy Perry, Jennifer Lopez, Jorge Garcia (Hurley de Lost) e Amanda Peet. No Brasil f…

Jackson Pollock - A História (De Mentira)

Jackson Pollock foi um pintor norte-americano expressionista abstrato. Inovador, ele não usava pincéis ou cavalete. Sua técnica consistia em gotejar ou espalhar a tinta sobre a tela com diversos instrumentos, estando ela no chão. Esta forma de pintura se chama action painting ou gestualismo.

      As obras dele são densas, cheias de nuances. Nunca vi um quadro dele pessoalmente, mas em foto, o efeito das camadas de tinta é de uma textura rica, com profundidade. Adoro arte abstrata! Minha mãe é artista plástica e eu gostaria muito de ter herdado esse talento dela.       Abaixo, algumas telas de Pollock:



     No excelente site sobre arte, mídias e tendências: updateordie.com, vi esta bela animação francesa de Léo Verrier. Uma homenagem em curta-metragem a esse grande artista, Jackson Pollock. Deslumbrante!
Dripped from ChezEddy on Vimeo.

Ayo - Joyful + Gravity At Last + Billie-Eve

Esta cantora alemã/nigeriana não é muito conhecida por aqui. Mas é um imenso talento já aclamado na Europa. Ouvi sua música pela primeira vez há alguns anos, quando baixei seu excelente álbum "Joyful", de 2006. Este inclusive, recebeu diversos discos de ouro e platina no velho continente.

      Na verdade é até difícil dizer qual de seus três discos é o melhor. Em todos ela imprime elegância e personalidade com sua bela e marcante voz. Passeando por diversas vertentes, suas canções flertam com o reggae, soul, blues, e até com o rock. 

      Mas o segundo, "Gravity At Last" (2008) é definitivamente o mais conciso, mesclando reggae e música africana. O terceiro trabalho lançado, "Billie-Eve" (2011), tem o nome de sua filha e é o mais pop entre eles.

      Destaque para as canções "Down On My Knees" do primeiro álbum, "Change" do segundo, e a contagiante "We've Got To" do terceiro. Além de uma ótima versão de "I …