Pular para o conteúdo principal

Minha Querida Sputnik - Haruki Murakami

      Este livro é singular: belo, triste e poético. A narrativa de Murakami é única. Em vários momentos ele deixa o fio da história de lado para inserir elementos reais ou surreais. O resultado é sempre algo surpreendente, inesperado, mas cheio de sensibilidade e profundidade. 
      Sua obra é subjetiva, onde ele sempre insinua, mas nunca entrega as questões principais de bandeja. É preciso reler e refletir para absorver tudo. 


      Em "Minha Querida Sputnik", Murakami cria um triângulo amoroso inusitado. Nele estão Sumire, uma jovem que quer se tornar uma escritora, e vive como se fosse um personagem beatnik de Jack Kerouac. Ela nunca se apaixonou ou sentiu desejo por alguém, mas acaba perdidamente apaixonada por Miu, uma mulher bem sucedida, elegante, atraente, casada e mais velha. Miu nunca sentiu nada por ninguém. Na outra ponta está K., o narrador da história e único amigo de Sumire, que a ama em segredo sem ser correspondido, mas se relaciona com mulheres casadas.
       Sumire começa a trabalhar para Miu e muda completamente de estilo, abrindo mão inclusive de seu sonho. Ela começa a viajar com Miu (Sputnik quer dizer "companheira de viagem" em russo), e numa pequena ilha da Grécia ela desaparece. E K. é chamado para ajudar na busca por Sumire e tentar salvá-la.
       Amores platônicos, desejo e solidão. Uma obra instigante e muito envolvente. Super recomendado!
       Outro livro maravilhoso do mesmo autor é "Após O Anoitecer" que eu já comentei AQUI!

Haruki Murakami
   

Comentários

Milena disse…
Nossa, parece ser um livro complexo, triste e romântico ao mesmo tempo... Nunca tinha ouvido falar sobre esse livro, interessante!

beijos!
Robson Batt disse…
Milena, eu virei fã do Murakami. Os livros dele são muito bons! Já comentei de outro livro dele que também é ótimo! Após O Anoitecer: http://robsonbatt.blogspot.com/2011/09/apos-o-anoitecer-haruki-murakami.html
Bjs!

Postagens mais visitadas deste blog

Herbert De Perto

O Herbert Vianna foi um dos meus grandes ídolos na adolescência. Ele era o cara! Usava óculos, tocava guitarra e cantava em uma das principais bandas de rock do Brasil, e ainda pegava a Paula Toller!        Ao longo do tempo, continuei muito fã dos Paralamas do Sucesso, e passei a admirar também seu trabalho solo e suas muitas parcerias, com artistas nacionais e estrangeiros. 

      Lembro do documentário "Paralamas em Close-Up", produzido pela HBO, que contava muito da história do grupo e um pouco do rock brasileiro. Muito bom! Quem quiser procurar, tem no Youtube em 13 partes.      Quando aconteceu o acidente com o Herbert eu não pude acompanhar direito. Eu estava trabalhando muito e não sobrava tempo pra nada. Só fui me lembrar dele quando o Paralamas lançou o disco "Brasil Afora" no início de 2009. Acabou que não escutei o álbum direito, mas voltei a ficar curioso sobre o Herbert e sua música.      No final de 2009 foi lançado esse documentário: "Herbert…

Janie Jones - A Caminho da Felicidade

Este longa-metragem foi lançado aqui no Brasil sem nenhuma divulgação, e acabou me despertando o interesse pelo contexto musical, mas tive uma imensa surpresa: o filme é muito bom! 

      Na trama, uma garota de 13 anos, Janie Jones (Abigail Breslin) é levada pela mãe, viciada em drogas, (Elisabeth Shue) para conhecer seu pai, Ethan Brand (Alessandro Nivola), um decadente band leader. Mas a mãe acaba sumindo, deixando a filha para o pai cuidar por um tempo, enquanto ela se livra do vício. Em meio à inaptidão de Ethan como pai e uma certa rejeição quanto à sua filha Janie, eles se aproximam, enquanto a banda dele acaba.

      Mesmo a história não sendo muito original, o filme conquista pelas ótimas interpretações e pela excelente trilha sonora alt-country da banda Clem Snide. A sintonia entre a dupla central, pai e filha, é vibrante, principalmente nos momentos em que a música fala mais alto, e percebe-se que o talento musical é hereditário.

     O diretor David M. Rosenthal sou…

Let's Get Lost - Chet Baker

Chet Baker foi um dos maiores músicos de jazz da história. Cantor e trompetista fenomenal, menos virtuoso e muito mais cool que boa parte dos jazzístas da época. Ele transbordava sensibilidade e musicalidade em sua obra. E esse documentário maravilhoso faz jus a seu imenso talento. 

      Todo em preto e branco, com belíssimas imagens, o filme é mais poético que documental. Ele traça toda a turbulenta história de Chet de forma não linear, não se preocupando de início em contar a vida dele, mas em seduzir o espectador com sua música e seu charme.        Os depoimentos são intercalados por cenas de Chet cercado de mulheres e admiradores (entre eles um Flea garotão), e a bordo de um Cadillac conversível, além de muitas imagens dele jovem. As partes mais duras do histórico do jazzista são deixadas para o final: suas prisões, o vício em heroína, o incidente que o fez perder vários dentes e o abandono da ex-mulher e seus quatro filhos. 
      Mas o diretor não busca levantar a verdade ou…