Pular para o conteúdo principal

Shame - Steve Mcqueen

      Todo mundo tem pelo menos um vício, seja ele secreto ou não: álcool, cigarro, drogas, internet, chocolate, sexo, etc. Em "Shame", do diretor inglês Steve Mcqueen, o personagem principal, Brandon, convive com o último. Na verdade, mais do que conviver, ele sobrevive ao vício, chamado Erotomania (compulsão pelo ato sexual).


      A vida de Brandon é toda em função do sexo, de diversas formas: sexo casual, sexo pago, sexo virtual, sexo solitário... Mesmo assim, ele é um profissional muito bem sucedido, que não deixa nada transparecer. Sua rotina sexual é organizada, bem executada, ocupando todo seu tempo. Brandon é solitário, mas não sofre com isso.


      Um dia seu cotidiano entra em crise com a chegada de sua irmã Sissy, carente, bagunceira, invasiva e problemática. Com a presença dela, Brandon, que sempre foi ausente, tem que segurar seus impulsos, mudar seu dia-a-dia e dar atenção à ela. A vergonha (shame) o leva a pensar em mudar, vencer o vício. Principalmente após se interessar romanticamente por uma mulher. Mas quando sua vida é dedicada a um vício, o que sobre quando ele é represado? 


      Eu gostei muito do filme. As interpretações da dupla central, Michael Fassbender e Carey Mulligan são tocantes e profundas. E o desenrolar da história, mesmo lento, é perfeito para nos sintonizar com o drama de Brandon, em que o sexo é uma fonte inesgotável de prazer e também uma escravizante necessidade. 


      O diretor não busca explicar a causa do transtorno de Brandon ou da fragilidade de sua irmã. Talvez isso amenizasse a imagem de ambos, principalmente dele. Boa parte da força do enredo está aí, em não procurar desculpas.
      Não é um filme para agradar a públicos sensíveis, por conta do tema há muitas cenas de sexo e nudez. Mas é ricamente interpretado e belamente fotografado. E ainda, no meio do longa tem a Carey Mulligan cantando lindamente "New York, New York". Vejam abaixo essa cena e o trailer:  



   

Comentários

Quer participar, Robson?

http://gatosmucky.blogspot.com.br/2012/11/premio-gato-smucky.html

Postagens mais visitadas deste blog

Ayo - Joyful + Gravity At Last + Billie-Eve

Esta cantora alemã/nigeriana não é muito conhecida por aqui. Mas é um imenso talento já aclamado na Europa. Ouvi sua música pela primeira vez há alguns anos, quando baixei seu excelente álbum "Joyful", de 2006. Este inclusive, recebeu diversos discos de ouro e platina no velho continente.

      Na verdade é até difícil dizer qual de seus três discos é o melhor. Em todos ela imprime elegância e personalidade com sua bela e marcante voz. Passeando por diversas vertentes, suas canções flertam com o reggae, soul, blues, e até com o rock. 

      Mas o segundo, "Gravity At Last" (2008) é definitivamente o mais conciso, mesclando reggae e música africana. O terceiro trabalho lançado, "Billie-Eve" (2011), tem o nome de sua filha e é o mais pop entre eles.

      Destaque para as canções "Down On My Knees" do primeiro álbum, "Change" do segundo, e a contagiante "We've Got To" do terceiro. Além de uma ótima versão de "I …

Jackson Pollock - A História (De Mentira)

Jackson Pollock foi um pintor norte-americano expressionista abstrato. Inovador, ele não usava pincéis ou cavalete. Sua técnica consistia em gotejar ou espalhar a tinta sobre a tela com diversos instrumentos, estando ela no chão. Esta forma de pintura se chama action painting ou gestualismo.

      As obras dele são densas, cheias de nuances. Nunca vi um quadro dele pessoalmente, mas em foto, o efeito das camadas de tinta é de uma textura rica, com profundidade. Adoro arte abstrata! Minha mãe é artista plástica e eu gostaria muito de ter herdado esse talento dela.       Abaixo, algumas telas de Pollock:



     No excelente site sobre arte, mídias e tendências: updateordie.com, vi esta bela animação francesa de Léo Verrier. Uma homenagem em curta-metragem a esse grande artista, Jackson Pollock. Deslumbrante!
Dripped from ChezEddy on Vimeo.

Stand By Me - Conta Comigo

Esse filme tem um valor sentimental para mim. Na verdade, tanto o filme quanto a trilha sonora.        Foi a primeira vez que eu fui ao cinema sozinho. Adorei a experiência! Não só pelo filme, me apaixonei pela sala escura, pelo ritual do refrigerante, pipoca doce, trailers e esquecer do mundo lá fora por pelo menos uma hora e meia. Daí pra frente eu repetiria essa experiência em inúmeras tardes de sábado.

     Muita gente já deve ter visto na TV, mas a história é bem simples: um grupo de amigos, formado por quatro garotos, fica sabendo do cadáver de um menino que foi achado na linha do trem, e resolvem fazer uma expedição até lá. Durante a aventura, os inseparáveis amigos se aproximam mais, cada um mostrando suas fraquezas e, nesse primeiro passo para o amadurecimento, percebem que sua amizade não durará mais que um verão.       Os garotos são ótimos! Todos continuaram atuando em séries de tv ou filmes menores, com exceção de River Phoenix, o garoto rebelde. Ele começou uma promis…