Pular para o conteúdo principal

O Dia em que as Abelhas Sumiram

No dia em que as abelhas sumiram,
Mesmo eu estando prostrado na grama,
Em meio às flores, com o sol a pino,
E com o ventar silencioso em meus ouvidos,
A falta delas não me perturbou.

Por que no dia em que as abelhas sumiram,
Também sumiram os insetos.
E mesmo eu estando com o peito nu,
Com os braços estendidos, deitado no chão,
A falta deles também não me perturbou.

Por que no dia em que as abelhas e os insetos sumiram,
Também sumiram os pássaros.
E mesmo eu estando com o peito nu,
Com os braços estendidos, deitado no chão,
A falta deles também não me perturbou.

Por que no dia em que as abelhas, os insetos e os pássaros,
Também sumiram as nuvens.
E mesmo com os olhos vidrados no céu,
Recortado entre a folhagem diversa e inquieta,
Por um incessante vento úmido.
A falta delas também não me perturbou.
Por que no dia em que as abelhas, os pássaros, os insetos e as nuvens sumiram,
Também sumiram os ruídos.
E mesmo eu estando com os ouvidos atentos,
Sentindo o sangue pulsando em minhas orelhas,
A falta deles também não me perturbou.

Por que no dia em que as abelhas, os pássaros, os insetos, as nuvens e os ruídos sumiram,
Também sumiram as dores.
E mesmo eu estando alerta e inerte,
Sentindo o calor e a imobilidade me conterem,
A falta delas também não me perturbou.

Por que no dia em que as abelhas, os pássaros, os insetos, as nuvens, os ruídos e as dores sumiram,
Também sumiram as outras pessoas.
E mesmo eu estando ilhado em meio à cidade,
Com vultos velozes no horizonte e a minha volta,
A falta delas também não me perturbou.

Por que no dia em que as abelhas, os pássaros, os insetos, as nuvens, os ruídos, as dores e as outras pessoas sumiram,
Também sumiu você.
E com você também sumiu a razão,
E sumiu o sentido que faz o mundo ter sentido.
E a sua ausência me perturbou tanto,
Que tudo o mais, não mais me incomodava.
E assim, a solidão me esmagou.


Robson Batt

* Baseado no poema "O Dia que os Discos Voadores Chegaram", de Neil Gaiman.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Janie Jones - A Caminho da Felicidade

Este longa-metragem foi lançado aqui no Brasil sem nenhuma divulgação, e acabou me despertando o interesse pelo contexto musical, mas tive uma imensa surpresa: o filme é muito bom! 

      Na trama, uma garota de 13 anos, Janie Jones (Abigail Breslin) é levada pela mãe, viciada em drogas, (Elisabeth Shue) para conhecer seu pai, Ethan Brand (Alessandro Nivola), um decadente band leader. Mas a mãe acaba sumindo, deixando a filha para o pai cuidar por um tempo, enquanto ela se livra do vício. Em meio à inaptidão de Ethan como pai e uma certa rejeição quanto à sua filha Janie, eles se aproximam, enquanto a banda dele acaba.

      Mesmo a história não sendo muito original, o filme conquista pelas ótimas interpretações e pela excelente trilha sonora alt-country da banda Clem Snide. A sintonia entre a dupla central, pai e filha, é vibrante, principalmente nos momentos em que a música fala mais alto, e percebe-se que o talento musical é hereditário.

     O diretor David M. Rosenthal sou…

How I Met Your Mother

Desde o início das séries de tv, um gênero que sempre rendeu boas histórias e personagens é o que aborda os encontros e desencontros da vida de solteiro. Seriados sobre grupos de amigos como "Friends" e "Seinfeld" bateram diversos recordes e conquistaram milhões de fãs pelo mundo.

      Um grande candidato a ser imortalizado é "How I Met Your Mother", literalmente: Como Eu Conheci Sua Mãe. Partindo do relato de um pai para seus filhos em 2030, de como conheceu a mãe deles. Ted, o pai, conta  suas aventuras de solteiro em Nova Iorque com seu grupo de amigos, suas ex-namoradas e casos, enquanto ele não encontra a mulher ideal para casar.

      Os personagens do seriado são muito bons e interpretados por atores muito carismáticos. Nos EUA, o programa é muito popular e já está na sétima temporada. Várias personalidades já fizeram participações, entre elas: Britney Spears, Katy Perry, Jennifer Lopez, Jorge Garcia (Hurley de Lost) e Amanda Peet. No Brasil f…

Mallu Magalhães - Pitanga

Mallu Magalhães cresceu e amadureceu, e não apenas fisicamente como pode se perceber na foto. Sua música evoluiu bastante, com claras influências de seu namorado, Marcelo Camelo. E seu último disco, "Pitanga", é delicioso.

      Depois de surgir aos 15 anos como um novíssimo talento da música, e toda super-exposição que veio a seguir, Mallu lançou dois bons discos homônimos. Mas ambos álbuns são baseados em seu estilo voz e violão, com poucas variações, principalmente no segundo, onde ensaia algumas mudanças.

      Neste seu terceiro disco, "Pitanga", Mallu mostra todo seu potencial como cantora e compositora. Destaque para as deliciosas "Baby I'm Sure", "Velha e Louca" e "Sambinha Bom".       Seguem alguns clipes dessas músicas e um belo teaser do álbum "Pitanga" feito por Camelo, exaltando sua musa.