Pular para o conteúdo principal

Saia da Armadura!

   O ser humano é feito de hábitos e convicções. O mundo em que achamos que vivemos não é real. A realidade que cada um vive e enxerga é diferente. Isso, pois na verdade é a nossa percepção das coisas, e não como elas são. Todos temos um filtro que nos faz experimentar a vida subjetivamente de uma forma particular. 

   Aquilo que causa prazer em alguém, traz dor para o outro, e medo para um terceiro. As experiências pelas quais passamos individualmente, criaram e continuam formando generalizações em nossas mentes, que por conseguinte, se tornam convicções. O agir frequente a partir destas convicções se tornam hábitos. Portanto, muitas das nossas reações às outras pessoas e ao mundo ao redor acabam sendo automáticas. Ou estamos buscando prazer ou fugindo da dor. 


   Mas também não é tão simples assim: uma dor frequente acaba sendo quase prazerosa, familiar. E, como já disse que somos seres de hábitos e convicções, acabamos por nos acostumar com essa dor em particular, e nos convencemos inconscientemente que essa dor é necessária. Por isso é tão difícil mudar de vida e eliminar aquilo que nos faz mal (relacionamentos, comportamento, trabalho, etc). Para nosso cérebro, familiaridade e padrões vêm em primeiro lugar. Então, mesmo que conscientemente fujamos da dor, o inconsciente nos direciona para o contrário, e agimos no "Piloto Automático", buscando aquele sofrimento familiar.

   Quando se envelhece, o peso das experiências de vida vai nos dando uma visão um pouco diferente sobre o que acontece conosco e o porquê disso. É mais fácil perceber que o nosso hoje é resultado direto de nosso ontem. Tudo o que fazemos, ou deixamos de fazer (nossas escolhas), tem um resultado: ação (ou inação) e reação. Em resumo: nós moldamos nossa vida!

   Por mais difícil que seja aceitar isso, muito do que reclamamos de nossa vida é causado por nós mesmos! É claro que existem acidentes e a interferência de outras pessoas em nosso percurso, mas como reagiremos a tudo isso depende somente de nós. 

   E então? Seguimos no automático, reagindo como sempre fizemos ou seguimos para um caminho diferente? Lembre-se: se agimos sempre da mesma forma, o resultado será sempre o mesmo!

   Na imensa maioria das vezes, para se conseguir mudar, ou antes disso, enxergar o que precisa ser mudado, é aconselhável ter ajuda. Digo isso com todo conhecimento de causa. Perdi anos e anos da minha vida entrando e saindo de depressões, numa montanha russa de euforia e tristeza. E sempre achando que eu era assim, afastando pessoas e deixando passar oportunidades por achar que agir daquela forma fazia parte da minha natureza.

   Mas é preciso mudar, melhorar! Imagine uma situação: você vestindo todos os dias uma armadura medieval desde pequeno. Ela é muito pesada, limita seus movimentos e sua visão, te dá dor de cabeça e não te deixa dormir direito. Mas você não pode fazer nada, por que a seu entender, a armadura faz parte de você. As coisas que você não consegue fazer, ou que não consegue perceber em algum momento são consequência da tal armadura. Ninguém nunca te disse, ou você nunca acreditou quando disseram, que você podia se livrar dela. E você pode! 


   E não é tão árduo quanto parece. É dolorido e trabalhoso, você provavelmente terá que remover uma parte de cada vez. E conforme você vai se livrando, sente como é bom estar mais livre e leve. Vale a pena! Estranhamente, porém, a armadura vai te fazer falta muitas vezes. Você sentirá falta da sua proteção e do dolorido peso que foi familiar por tanto tempo. Mas persista! Sem essa armadura você poderá realizar sonhos e desejos que você acalenta por anos e nunca se julgou capaz. Por mais clichê que soe: a felicidade está ao alcance de todos! Ninguém merece viver infeliz! 

Segue abaixo o link para download de um guia de 7 dias dos Terapeutas Sem Fronteiras, uma instituição que muito me ajudou e atende solidariamente, sem cobrança de consulta. Segue também o contato deles. Se você acha que precisa, não perca tempo! Procure ajuda!

TERAPIA SEM FRONTEIRAS - A ARTE DE SER E VIVER, por REX THOMAS
https://www.4shared.com/office/UqeTxgNGca/Terapia_sem_Fronteiras_-_Arte_.html

https://www.facebook.com/terapeutassemfronteirasbrasilia/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Herbert De Perto

O Herbert Vianna foi um dos meus grandes ídolos na adolescência. Ele era o cara! Usava óculos, tocava guitarra e cantava em uma das principais bandas de rock do Brasil, e ainda pegava a Paula Toller!        Ao longo do tempo, continuei muito fã dos Paralamas do Sucesso, e passei a admirar também seu trabalho solo e suas muitas parcerias, com artistas nacionais e estrangeiros. 

      Lembro do documentário "Paralamas em Close-Up", produzido pela HBO, que contava muito da história do grupo e um pouco do rock brasileiro. Muito bom! Quem quiser procurar, tem no Youtube em 13 partes.      Quando aconteceu o acidente com o Herbert eu não pude acompanhar direito. Eu estava trabalhando muito e não sobrava tempo pra nada. Só fui me lembrar dele quando o Paralamas lançou o disco "Brasil Afora" no início de 2009. Acabou que não escutei o álbum direito, mas voltei a ficar curioso sobre o Herbert e sua música.      No final de 2009 foi lançado esse documentário: "Herbert…

Janie Jones - A Caminho da Felicidade

Este longa-metragem foi lançado aqui no Brasil sem nenhuma divulgação, e acabou me despertando o interesse pelo contexto musical, mas tive uma imensa surpresa: o filme é muito bom! 

      Na trama, uma garota de 13 anos, Janie Jones (Abigail Breslin) é levada pela mãe, viciada em drogas, (Elisabeth Shue) para conhecer seu pai, Ethan Brand (Alessandro Nivola), um decadente band leader. Mas a mãe acaba sumindo, deixando a filha para o pai cuidar por um tempo, enquanto ela se livra do vício. Em meio à inaptidão de Ethan como pai e uma certa rejeição quanto à sua filha Janie, eles se aproximam, enquanto a banda dele acaba.

      Mesmo a história não sendo muito original, o filme conquista pelas ótimas interpretações e pela excelente trilha sonora alt-country da banda Clem Snide. A sintonia entre a dupla central, pai e filha, é vibrante, principalmente nos momentos em que a música fala mais alto, e percebe-se que o talento musical é hereditário.

     O diretor David M. Rosenthal sou…

Mallu Magalhães - Pitanga

Mallu Magalhães cresceu e amadureceu, e não apenas fisicamente como pode se perceber na foto. Sua música evoluiu bastante, com claras influências de seu namorado, Marcelo Camelo. E seu último disco, "Pitanga", é delicioso.

      Depois de surgir aos 15 anos como um novíssimo talento da música, e toda super-exposição que veio a seguir, Mallu lançou dois bons discos homônimos. Mas ambos álbuns são baseados em seu estilo voz e violão, com poucas variações, principalmente no segundo, onde ensaia algumas mudanças.

      Neste seu terceiro disco, "Pitanga", Mallu mostra todo seu potencial como cantora e compositora. Destaque para as deliciosas "Baby I'm Sure", "Velha e Louca" e "Sambinha Bom".       Seguem alguns clipes dessas músicas e um belo teaser do álbum "Pitanga" feito por Camelo, exaltando sua musa.