Pular para o conteúdo principal

A Visita Cruel Do Tempo - Jennifer Egan

      Este foi o livro mais impressionante que eu li nos últimos tempos. Absurdamente bem escrito e estruturado, a escritora Jennifer Egan monta um brilhante mosaico sobre a vida e o tempo, com passagens da história de diversos personagens, interligados de alguma forma.


      Usando a música como pano de fundo, a autora passeia por cinco décadas sem ordem cronológica, focando em cada capítulo numa pessoa diferente, mas voltando às vezes aos mesmos, em outras épocas. Percebe-se aí o brilhantismo do texto, pois cada capítulo é como um conto, forte e independente, com pontos de vista e estilo narrativo próprios. Mas colocados juntos, montam uma história inteligente, complexa e sensível. 
       No livro, alguns personagens têm mais destaque e acabam servindo de referência temporal por aparecerem em diversas fases da vida como: Bennie Salazar, executivo da indústria musical; a cleptomaníaca Sasha, sua assistente em certo período; Lou, famoso produtor musical dos anos 70 e mentor de Bennie; Jules, desequilibrado jornalista, cunhado de Bennie; Scotty, talentoso guitarrista, amigo de Bennie na juventude; Dolly, experiente assessora de imprensa novaiorquina; entre vários outros. Como o sistema de busca em "nuvem", os personagens passam de primeiro a terceiro plano, de capítulo a capítulo. 


       O livro na verdade extrapola o título "A Visita Cruel Do Tempo". Jennifer Egan consegue criar uma pintura do que é a vida e a ação do tempo, e provavelmente, apenas os leitores com mais de três décadas poderão captar isso. 
       Quando se observa o que vivemos com distanciamento, e as pessoas próximas de nós, é possível perceber que nem tudo o que foi planejado foi cumprido e nem todos sonhos se realizaram. Mas também, nem todas as tragédias e frustrações foram intransponíveis. Tudo que vivenciamos, ou deixamos de fazer, faz parte do que somos. Boa leitura! 
       

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

How I Met Your Mother

Desde o início das séries de tv, um gênero que sempre rendeu boas histórias e personagens é o que aborda os encontros e desencontros da vida de solteiro. Seriados sobre grupos de amigos como "Friends" e "Seinfeld" bateram diversos recordes e conquistaram milhões de fãs pelo mundo.

      Um grande candidato a ser imortalizado é "How I Met Your Mother", literalmente: Como Eu Conheci Sua Mãe. Partindo do relato de um pai para seus filhos em 2030, de como conheceu a mãe deles. Ted, o pai, conta  suas aventuras de solteiro em Nova Iorque com seu grupo de amigos, suas ex-namoradas e casos, enquanto ele não encontra a mulher ideal para casar.

      Os personagens do seriado são muito bons e interpretados por atores muito carismáticos. Nos EUA, o programa é muito popular e já está na sétima temporada. Várias personalidades já fizeram participações, entre elas: Britney Spears, Katy Perry, Jennifer Lopez, Jorge Garcia (Hurley de Lost) e Amanda Peet. No Brasil f…

Ayo - Joyful + Gravity At Last + Billie-Eve

Esta cantora alemã/nigeriana não é muito conhecida por aqui. Mas é um imenso talento já aclamado na Europa. Ouvi sua música pela primeira vez há alguns anos, quando baixei seu excelente álbum "Joyful", de 2006. Este inclusive, recebeu diversos discos de ouro e platina no velho continente.

      Na verdade é até difícil dizer qual de seus três discos é o melhor. Em todos ela imprime elegância e personalidade com sua bela e marcante voz. Passeando por diversas vertentes, suas canções flertam com o reggae, soul, blues, e até com o rock. 

      Mas o segundo, "Gravity At Last" (2008) é definitivamente o mais conciso, mesclando reggae e música africana. O terceiro trabalho lançado, "Billie-Eve" (2011), tem o nome de sua filha e é o mais pop entre eles.

      Destaque para as canções "Down On My Knees" do primeiro álbum, "Change" do segundo, e a contagiante "We've Got To" do terceiro. Além de uma ótima versão de "I …

Jackson Pollock - A História (De Mentira)

Jackson Pollock foi um pintor norte-americano expressionista abstrato. Inovador, ele não usava pincéis ou cavalete. Sua técnica consistia em gotejar ou espalhar a tinta sobre a tela com diversos instrumentos, estando ela no chão. Esta forma de pintura se chama action painting ou gestualismo.

      As obras dele são densas, cheias de nuances. Nunca vi um quadro dele pessoalmente, mas em foto, o efeito das camadas de tinta é de uma textura rica, com profundidade. Adoro arte abstrata! Minha mãe é artista plástica e eu gostaria muito de ter herdado esse talento dela.       Abaixo, algumas telas de Pollock:



     No excelente site sobre arte, mídias e tendências: updateordie.com, vi esta bela animação francesa de Léo Verrier. Uma homenagem em curta-metragem a esse grande artista, Jackson Pollock. Deslumbrante!
Dripped from ChezEddy on Vimeo.