Pular para o conteúdo principal

Acaso e Destino

          Outro dia, revendo o maravilhoso filme "O Curioso Caso de Benjamin Button", fiquei refletindo sobre o Acaso e Destino. Escrevi como nomes próprios, porque parece às vezes que o Destino é uma entidade, tamanha a força com que interfere em nossas vidas. Quem já leu Sandman do Neil Gaiman sabe do que estou falando.
          Por muito tempo eu acreditei que o Destino nos deixava brechas para escolhas. Como uma estrada, que ao longo do caminho apresenta encruzilhadas, e assim podemos continuar o mesmo caminho, ou tomamos um rumo diferente. Ao olhar para trás, não é difícil perceber tais "encruzilhadas", momentos marcantes em que poderíamos mudar o futuro, ou o presente, com uma escolha diferente da que foi feita: aquela segunda chance a um namoro que já durava mais do que devia; a saída precipitada do emprego por impulso; o telefonema para aquela pessoa especial que demorou demais a acontecer; a noitada com os amigos mesmo contra a vontade.        São inúmeras situações.
          Na verdade, se pensarmos bem, essas escolhas ocorrem a cada segundo: atravesso ou não a rua, falo o que eu penso ou fico calado, tomo a iniciativa ou deixo pra depois. Se for assim mesmo, então a vida é aleatória. Construímos o nosso futuro a cada minuto, a cada esquina que dobramos.
          Mas porque isso não convence? Por que a cada fatalidade ou golpe de sorte sentimos como se aquilo deveria ter acontecido de qualquer jeito? Eu não tenho essas respostas, como ninguém mais tem. Mas às vezes eu me sinto como se estivesse num rio caudaloso, e por mais eu reme para uma margem ou outra do rio, enfrente obstáculos diferentes e veja outras paisagens, acabo desembocando no mar do mesmo jeito.

Esta é a cena do filme, brilhantemente realizada (pena que as legendas estão meio capengas):

Comentários

Ótimo texto. E, apesar de meu gosto por cinema ser mais levado para o lado comercial, de fato esse filme é poesia pura, da melhor qualidade.

Abraço.

Postagens mais visitadas deste blog

Ayo - Joyful + Gravity At Last + Billie-Eve

Esta cantora alemã/nigeriana não é muito conhecida por aqui. Mas é um imenso talento já aclamado na Europa. Ouvi sua música pela primeira vez há alguns anos, quando baixei seu excelente álbum "Joyful", de 2006. Este inclusive, recebeu diversos discos de ouro e platina no velho continente.

      Na verdade é até difícil dizer qual de seus três discos é o melhor. Em todos ela imprime elegância e personalidade com sua bela e marcante voz. Passeando por diversas vertentes, suas canções flertam com o reggae, soul, blues, e até com o rock. 

      Mas o segundo, "Gravity At Last" (2008) é definitivamente o mais conciso, mesclando reggae e música africana. O terceiro trabalho lançado, "Billie-Eve" (2011), tem o nome de sua filha e é o mais pop entre eles.

      Destaque para as canções "Down On My Knees" do primeiro álbum, "Change" do segundo, e a contagiante "We've Got To" do terceiro. Além de uma ótima versão de "I …

How I Met Your Mother

Desde o início das séries de tv, um gênero que sempre rendeu boas histórias e personagens é o que aborda os encontros e desencontros da vida de solteiro. Seriados sobre grupos de amigos como "Friends" e "Seinfeld" bateram diversos recordes e conquistaram milhões de fãs pelo mundo.

      Um grande candidato a ser imortalizado é "How I Met Your Mother", literalmente: Como Eu Conheci Sua Mãe. Partindo do relato de um pai para seus filhos em 2030, de como conheceu a mãe deles. Ted, o pai, conta  suas aventuras de solteiro em Nova Iorque com seu grupo de amigos, suas ex-namoradas e casos, enquanto ele não encontra a mulher ideal para casar.

      Os personagens do seriado são muito bons e interpretados por atores muito carismáticos. Nos EUA, o programa é muito popular e já está na sétima temporada. Várias personalidades já fizeram participações, entre elas: Britney Spears, Katy Perry, Jennifer Lopez, Jorge Garcia (Hurley de Lost) e Amanda Peet. No Brasil f…

Jackson Pollock - A História (De Mentira)

Jackson Pollock foi um pintor norte-americano expressionista abstrato. Inovador, ele não usava pincéis ou cavalete. Sua técnica consistia em gotejar ou espalhar a tinta sobre a tela com diversos instrumentos, estando ela no chão. Esta forma de pintura se chama action painting ou gestualismo.

      As obras dele são densas, cheias de nuances. Nunca vi um quadro dele pessoalmente, mas em foto, o efeito das camadas de tinta é de uma textura rica, com profundidade. Adoro arte abstrata! Minha mãe é artista plástica e eu gostaria muito de ter herdado esse talento dela.       Abaixo, algumas telas de Pollock:



     No excelente site sobre arte, mídias e tendências: updateordie.com, vi esta bela animação francesa de Léo Verrier. Uma homenagem em curta-metragem a esse grande artista, Jackson Pollock. Deslumbrante!
Dripped from ChezEddy on Vimeo.