Pular para o conteúdo principal

Acaso e Destino

          Outro dia, revendo o maravilhoso filme "O Curioso Caso de Benjamin Button", fiquei refletindo sobre o Acaso e Destino. Escrevi como nomes próprios, porque parece às vezes que o Destino é uma entidade, tamanha a força com que interfere em nossas vidas. Quem já leu Sandman do Neil Gaiman sabe do que estou falando.
          Por muito tempo eu acreditei que o Destino nos deixava brechas para escolhas. Como uma estrada, que ao longo do caminho apresenta encruzilhadas, e assim podemos continuar o mesmo caminho, ou tomamos um rumo diferente. Ao olhar para trás, não é difícil perceber tais "encruzilhadas", momentos marcantes em que poderíamos mudar o futuro, ou o presente, com uma escolha diferente da que foi feita: aquela segunda chance a um namoro que já durava mais do que devia; a saída precipitada do emprego por impulso; o telefonema para aquela pessoa especial que demorou demais a acontecer; a noitada com os amigos mesmo contra a vontade.        São inúmeras situações.
          Na verdade, se pensarmos bem, essas escolhas ocorrem a cada segundo: atravesso ou não a rua, falo o que eu penso ou fico calado, tomo a iniciativa ou deixo pra depois. Se for assim mesmo, então a vida é aleatória. Construímos o nosso futuro a cada minuto, a cada esquina que dobramos.
          Mas porque isso não convence? Por que a cada fatalidade ou golpe de sorte sentimos como se aquilo deveria ter acontecido de qualquer jeito? Eu não tenho essas respostas, como ninguém mais tem. Mas às vezes eu me sinto como se estivesse num rio caudaloso, e por mais eu reme para uma margem ou outra do rio, enfrente obstáculos diferentes e veja outras paisagens, acabo desembocando no mar do mesmo jeito.

Esta é a cena do filme, brilhantemente realizada (pena que as legendas estão meio capengas):

Comentários

Ótimo texto. E, apesar de meu gosto por cinema ser mais levado para o lado comercial, de fato esse filme é poesia pura, da melhor qualidade.

Abraço.

Postagens mais visitadas deste blog

Janie Jones - A Caminho da Felicidade

Este longa-metragem foi lançado aqui no Brasil sem nenhuma divulgação, e acabou me despertando o interesse pelo contexto musical, mas tive uma imensa surpresa: o filme é muito bom! 

      Na trama, uma garota de 13 anos, Janie Jones (Abigail Breslin) é levada pela mãe, viciada em drogas, (Elisabeth Shue) para conhecer seu pai, Ethan Brand (Alessandro Nivola), um decadente band leader. Mas a mãe acaba sumindo, deixando a filha para o pai cuidar por um tempo, enquanto ela se livra do vício. Em meio à inaptidão de Ethan como pai e uma certa rejeição quanto à sua filha Janie, eles se aproximam, enquanto a banda dele acaba.

      Mesmo a história não sendo muito original, o filme conquista pelas ótimas interpretações e pela excelente trilha sonora alt-country da banda Clem Snide. A sintonia entre a dupla central, pai e filha, é vibrante, principalmente nos momentos em que a música fala mais alto, e percebe-se que o talento musical é hereditário.

     O diretor David M. Rosenthal sou…

How I Met Your Mother

Desde o início das séries de tv, um gênero que sempre rendeu boas histórias e personagens é o que aborda os encontros e desencontros da vida de solteiro. Seriados sobre grupos de amigos como "Friends" e "Seinfeld" bateram diversos recordes e conquistaram milhões de fãs pelo mundo.

      Um grande candidato a ser imortalizado é "How I Met Your Mother", literalmente: Como Eu Conheci Sua Mãe. Partindo do relato de um pai para seus filhos em 2030, de como conheceu a mãe deles. Ted, o pai, conta  suas aventuras de solteiro em Nova Iorque com seu grupo de amigos, suas ex-namoradas e casos, enquanto ele não encontra a mulher ideal para casar.

      Os personagens do seriado são muito bons e interpretados por atores muito carismáticos. Nos EUA, o programa é muito popular e já está na sétima temporada. Várias personalidades já fizeram participações, entre elas: Britney Spears, Katy Perry, Jennifer Lopez, Jorge Garcia (Hurley de Lost) e Amanda Peet. No Brasil f…

Mallu Magalhães - Pitanga

Mallu Magalhães cresceu e amadureceu, e não apenas fisicamente como pode se perceber na foto. Sua música evoluiu bastante, com claras influências de seu namorado, Marcelo Camelo. E seu último disco, "Pitanga", é delicioso.

      Depois de surgir aos 15 anos como um novíssimo talento da música, e toda super-exposição que veio a seguir, Mallu lançou dois bons discos homônimos. Mas ambos álbuns são baseados em seu estilo voz e violão, com poucas variações, principalmente no segundo, onde ensaia algumas mudanças.

      Neste seu terceiro disco, "Pitanga", Mallu mostra todo seu potencial como cantora e compositora. Destaque para as deliciosas "Baby I'm Sure", "Velha e Louca" e "Sambinha Bom".       Seguem alguns clipes dessas músicas e um belo teaser do álbum "Pitanga" feito por Camelo, exaltando sua musa.