Pular para o conteúdo principal

João Carlos Martins

      O maestro e pianista João Carlos Martins dispensa apresentações. Figura notória na música brasileira, além de reconhecido e admirado mundialmente. Sua história de vida é de sucessos e obstáculos, sofrimento e superação. Ele é um daqueles exemplos de conduta e obstinação, em que o coração e o amor à arte são maiores que ele mesmo, e fazem tudo ser possível.


      Enquanto pianista brilhante, foi considerado o maior intérprete de Johann Sebastian Bach do mundo. Sofreu acidentes e problemas de saúde, que por longos períodos o impediram de tocar. Por fim, perdeu quase completamente os movimentos das mãos. Mas não se dando por vencido, se tornou maestro e passou a reger a Orquestra Bachiana Filarmônica. Sua missão hoje é divulgar a música clássica brasileira em todos os níveis sociais, dentro e fora do país. E como tudo em sua vida, tem feito isso brilhantemente.
      Presenciei emocionado sua palestra testemunhal no último sábado. Logo no início, foi exibido este documentário chamado "Quis O Destino", de Ricardo Carvalho. Belíssimo!


     O momento mais tocante para mim foi a apresentação de João Carlos Martins ao piano, acompanhado de um quarteto de cordas e clarineta, interpretando o tema criado por Ennio Morricone para o estupendo filme "Cinema Paradiso". A interpretação foi tão bela, e me lembrando desta obra que me fascinou tanto no final da adolescência, que não me contive e chorei, como muitos ali. Um instante mágico, onde a arte se tornou pura emoção. Bravíssimo maestro!  
      Abaixo, a apresentação do mesmo tema no programa Altas Horas:       

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Herbert De Perto

O Herbert Vianna foi um dos meus grandes ídolos na adolescência. Ele era o cara! Usava óculos, tocava guitarra e cantava em uma das principais bandas de rock do Brasil, e ainda pegava a Paula Toller!        Ao longo do tempo, continuei muito fã dos Paralamas do Sucesso, e passei a admirar também seu trabalho solo e suas muitas parcerias, com artistas nacionais e estrangeiros. 

      Lembro do documentário "Paralamas em Close-Up", produzido pela HBO, que contava muito da história do grupo e um pouco do rock brasileiro. Muito bom! Quem quiser procurar, tem no Youtube em 13 partes.      Quando aconteceu o acidente com o Herbert eu não pude acompanhar direito. Eu estava trabalhando muito e não sobrava tempo pra nada. Só fui me lembrar dele quando o Paralamas lançou o disco "Brasil Afora" no início de 2009. Acabou que não escutei o álbum direito, mas voltei a ficar curioso sobre o Herbert e sua música.      No final de 2009 foi lançado esse documentário: "Herbert…

Janie Jones - A Caminho da Felicidade

Este longa-metragem foi lançado aqui no Brasil sem nenhuma divulgação, e acabou me despertando o interesse pelo contexto musical, mas tive uma imensa surpresa: o filme é muito bom! 

      Na trama, uma garota de 13 anos, Janie Jones (Abigail Breslin) é levada pela mãe, viciada em drogas, (Elisabeth Shue) para conhecer seu pai, Ethan Brand (Alessandro Nivola), um decadente band leader. Mas a mãe acaba sumindo, deixando a filha para o pai cuidar por um tempo, enquanto ela se livra do vício. Em meio à inaptidão de Ethan como pai e uma certa rejeição quanto à sua filha Janie, eles se aproximam, enquanto a banda dele acaba.

      Mesmo a história não sendo muito original, o filme conquista pelas ótimas interpretações e pela excelente trilha sonora alt-country da banda Clem Snide. A sintonia entre a dupla central, pai e filha, é vibrante, principalmente nos momentos em que a música fala mais alto, e percebe-se que o talento musical é hereditário.

     O diretor David M. Rosenthal sou…

Let's Get Lost - Chet Baker

Chet Baker foi um dos maiores músicos de jazz da história. Cantor e trompetista fenomenal, menos virtuoso e muito mais cool que boa parte dos jazzístas da época. Ele transbordava sensibilidade e musicalidade em sua obra. E esse documentário maravilhoso faz jus a seu imenso talento. 

      Todo em preto e branco, com belíssimas imagens, o filme é mais poético que documental. Ele traça toda a turbulenta história de Chet de forma não linear, não se preocupando de início em contar a vida dele, mas em seduzir o espectador com sua música e seu charme.        Os depoimentos são intercalados por cenas de Chet cercado de mulheres e admiradores (entre eles um Flea garotão), e a bordo de um Cadillac conversível, além de muitas imagens dele jovem. As partes mais duras do histórico do jazzista são deixadas para o final: suas prisões, o vício em heroína, o incidente que o fez perder vários dentes e o abandono da ex-mulher e seus quatro filhos. 
      Mas o diretor não busca levantar a verdade ou…