Pular para o conteúdo principal

Hell: Paris - 75016

      Este livro é cheio de frases como: "Sou uma putinha, daquelas mais insuportáveis. Meu credo: seja bela e consumista." ou "Sou jovem, bonito, rico e lúcido. E este é o detalhe que põe tudo a perder.". A princípio parece que o livro é apenas egolatria, prepotência, uma apologia ao consumismo e ao elitismo. Mas no fundo é uma história de amor. Doentia, egoísta, distorcida e inconsequente, mas ainda assim, uma história de amor.
      

      A trama do livro é bem simples: Hell é uma jovem bela, fútil, riquíssima, sem perspectivas e revoltada com a vida por conta disso. Um dia ela conhece Andrea, seu reflexo masculino, e se apaixonam. Mas nem o amor redime suas vidas. 
      Em meio a tantos nomes de lugares chiques, marcas famosas, modelos de carro, cocaína, champanhe, e sexo, percebe-se uma rotina das mais implacáveis. Segundo Lolita Pille, fazer parte dos 0,01 % dos 10 % mais ricos tem seu preço: a liberdade. Os jovens milionários são solitários, fazem a ronda das butiques, frequentam a mesma boate, os mesmos restaurantes e transam entre si, evitando ao máximo se relacionar com os menos afortunados, vistos como aproveitadores. Para os ricos não há redenção.
      Mesmo com personagens mimados e antipáticos, e toda a futilidade retratada, a autora consegue envolver o leitor em seu texto confessional, com toques existencialistas. 
      O livro foi um best-seller na França e causou muita polêmica devido a Lolita Pille frequentar esse meio. É um tanto deprimente, mas vale a leitura!

Lolita Pille

Comentários

Giovani Iemini disse…
a primeira parte é boa, com a história da hell, mas quando a autora assume o papel da sua versão masculina, o texto fica chato e sem veracidade.
mas vale a diversão.

no fim, o espanto todo do livro é por conta da futilidade e pretensão dos riquíssimos. só.
Robson Batt disse…
Eu achei interessante o ponto de vista dele. Acho que reforça o final trágico.
Valeu! Abs!

Postagens mais visitadas deste blog

Janie Jones - A Caminho da Felicidade

Este longa-metragem foi lançado aqui no Brasil sem nenhuma divulgação, e acabou me despertando o interesse pelo contexto musical, mas tive uma imensa surpresa: o filme é muito bom! 

      Na trama, uma garota de 13 anos, Janie Jones (Abigail Breslin) é levada pela mãe, viciada em drogas, (Elisabeth Shue) para conhecer seu pai, Ethan Brand (Alessandro Nivola), um decadente band leader. Mas a mãe acaba sumindo, deixando a filha para o pai cuidar por um tempo, enquanto ela se livra do vício. Em meio à inaptidão de Ethan como pai e uma certa rejeição quanto à sua filha Janie, eles se aproximam, enquanto a banda dele acaba.

      Mesmo a história não sendo muito original, o filme conquista pelas ótimas interpretações e pela excelente trilha sonora alt-country da banda Clem Snide. A sintonia entre a dupla central, pai e filha, é vibrante, principalmente nos momentos em que a música fala mais alto, e percebe-se que o talento musical é hereditário.

     O diretor David M. Rosenthal sou…

How I Met Your Mother

Desde o início das séries de tv, um gênero que sempre rendeu boas histórias e personagens é o que aborda os encontros e desencontros da vida de solteiro. Seriados sobre grupos de amigos como "Friends" e "Seinfeld" bateram diversos recordes e conquistaram milhões de fãs pelo mundo.

      Um grande candidato a ser imortalizado é "How I Met Your Mother", literalmente: Como Eu Conheci Sua Mãe. Partindo do relato de um pai para seus filhos em 2030, de como conheceu a mãe deles. Ted, o pai, conta  suas aventuras de solteiro em Nova Iorque com seu grupo de amigos, suas ex-namoradas e casos, enquanto ele não encontra a mulher ideal para casar.

      Os personagens do seriado são muito bons e interpretados por atores muito carismáticos. Nos EUA, o programa é muito popular e já está na sétima temporada. Várias personalidades já fizeram participações, entre elas: Britney Spears, Katy Perry, Jennifer Lopez, Jorge Garcia (Hurley de Lost) e Amanda Peet. No Brasil f…

Mallu Magalhães - Pitanga

Mallu Magalhães cresceu e amadureceu, e não apenas fisicamente como pode se perceber na foto. Sua música evoluiu bastante, com claras influências de seu namorado, Marcelo Camelo. E seu último disco, "Pitanga", é delicioso.

      Depois de surgir aos 15 anos como um novíssimo talento da música, e toda super-exposição que veio a seguir, Mallu lançou dois bons discos homônimos. Mas ambos álbuns são baseados em seu estilo voz e violão, com poucas variações, principalmente no segundo, onde ensaia algumas mudanças.

      Neste seu terceiro disco, "Pitanga", Mallu mostra todo seu potencial como cantora e compositora. Destaque para as deliciosas "Baby I'm Sure", "Velha e Louca" e "Sambinha Bom".       Seguem alguns clipes dessas músicas e um belo teaser do álbum "Pitanga" feito por Camelo, exaltando sua musa.