Pular para o conteúdo principal

O Sol De Cada Manhã

      Adoro quando algum filme me surpreende e mostra algo mais do que a história proposta. É o caso desta película, que teve o título em português mais poético do que o original ("The Weather Man").
      Dirigido pelo Gore Verbinski, o mesmo dos "Piratas Do Caribe", o filme tem um tom melancólico em quase todo ele, refletindo o estado de espírito do protagonista: David Spritz. 


     Nicolas Cage está muito bem como o "homem do tempo" apático, distraído, imaturo e perdido, vendo sua profissão decolar, enquanto sua vida pessoal se desmorona sem ele conseguir entender o porquê. Sua esposa pediu o divórcio, ficou com a guarda dos filhos e já tem outro. Sua filha se sente deslocada, sozinha, semelhante a ele. Seu pai é um premiado escritor que está doente, com o qual ele se sente inferiorizado. Mesmo com uma boa chance profissional, ele não se aceita muito bem, e não sabe se relacionar com o público, que vive jogando comida nele na rua.


     Em meio a esse turbilhão, David tenta assumir o controle e colocar sua vida nos eixos. Mas, como tudo na vida, nem sempre as coisas são como queremos que sejam.
    Isso tudo me fez pensar bastante. Todos sabemos que a vida não é justa. Ela nos é favorável muitas vezes, é verdade, mas não justa. Quantas vezes já nos vimos em situações complicadas e pensamos: não pode piorar! E piora... A vida é assim mesmo. Faz parte do amadurecimento aprender a aceitar o que somos, o que não podemos mudar, e também, a lutar pelo que queremos ser e podemos mudar! Ótimo filme!


      Nesta cena, o pai (o ótimo Michael Caine) fala com David: "Normalmente o mais difícil de se fazer, e o certo a se fazer, são a mesma coisa. Nada que valha a pena é fácil. Fácil não tem nada a ver com a vida adulta."



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Herbert De Perto

O Herbert Vianna foi um dos meus grandes ídolos na adolescência. Ele era o cara! Usava óculos, tocava guitarra e cantava em uma das principais bandas de rock do Brasil, e ainda pegava a Paula Toller!        Ao longo do tempo, continuei muito fã dos Paralamas do Sucesso, e passei a admirar também seu trabalho solo e suas muitas parcerias, com artistas nacionais e estrangeiros. 

      Lembro do documentário "Paralamas em Close-Up", produzido pela HBO, que contava muito da história do grupo e um pouco do rock brasileiro. Muito bom! Quem quiser procurar, tem no Youtube em 13 partes.      Quando aconteceu o acidente com o Herbert eu não pude acompanhar direito. Eu estava trabalhando muito e não sobrava tempo pra nada. Só fui me lembrar dele quando o Paralamas lançou o disco "Brasil Afora" no início de 2009. Acabou que não escutei o álbum direito, mas voltei a ficar curioso sobre o Herbert e sua música.      No final de 2009 foi lançado esse documentário: "Herbert…

Janie Jones - A Caminho da Felicidade

Este longa-metragem foi lançado aqui no Brasil sem nenhuma divulgação, e acabou me despertando o interesse pelo contexto musical, mas tive uma imensa surpresa: o filme é muito bom! 

      Na trama, uma garota de 13 anos, Janie Jones (Abigail Breslin) é levada pela mãe, viciada em drogas, (Elisabeth Shue) para conhecer seu pai, Ethan Brand (Alessandro Nivola), um decadente band leader. Mas a mãe acaba sumindo, deixando a filha para o pai cuidar por um tempo, enquanto ela se livra do vício. Em meio à inaptidão de Ethan como pai e uma certa rejeição quanto à sua filha Janie, eles se aproximam, enquanto a banda dele acaba.

      Mesmo a história não sendo muito original, o filme conquista pelas ótimas interpretações e pela excelente trilha sonora alt-country da banda Clem Snide. A sintonia entre a dupla central, pai e filha, é vibrante, principalmente nos momentos em que a música fala mais alto, e percebe-se que o talento musical é hereditário.

     O diretor David M. Rosenthal sou…

Let's Get Lost - Chet Baker

Chet Baker foi um dos maiores músicos de jazz da história. Cantor e trompetista fenomenal, menos virtuoso e muito mais cool que boa parte dos jazzístas da época. Ele transbordava sensibilidade e musicalidade em sua obra. E esse documentário maravilhoso faz jus a seu imenso talento. 

      Todo em preto e branco, com belíssimas imagens, o filme é mais poético que documental. Ele traça toda a turbulenta história de Chet de forma não linear, não se preocupando de início em contar a vida dele, mas em seduzir o espectador com sua música e seu charme.        Os depoimentos são intercalados por cenas de Chet cercado de mulheres e admiradores (entre eles um Flea garotão), e a bordo de um Cadillac conversível, além de muitas imagens dele jovem. As partes mais duras do histórico do jazzista são deixadas para o final: suas prisões, o vício em heroína, o incidente que o fez perder vários dentes e o abandono da ex-mulher e seus quatro filhos. 
      Mas o diretor não busca levantar a verdade ou…