Pular para o conteúdo principal

O Sol De Cada Manhã

      Adoro quando algum filme me surpreende e mostra algo mais do que a história proposta. É o caso desta película, que teve o título em português mais poético do que o original ("The Weather Man").
      Dirigido pelo Gore Verbinski, o mesmo dos "Piratas Do Caribe", o filme tem um tom melancólico em quase todo ele, refletindo o estado de espírito do protagonista: David Spritz. 


     Nicolas Cage está muito bem como o "homem do tempo" apático, distraído, imaturo e perdido, vendo sua profissão decolar, enquanto sua vida pessoal se desmorona sem ele conseguir entender o porquê. Sua esposa pediu o divórcio, ficou com a guarda dos filhos e já tem outro. Sua filha se sente deslocada, sozinha, semelhante a ele. Seu pai é um premiado escritor que está doente, com o qual ele se sente inferiorizado. Mesmo com uma boa chance profissional, ele não se aceita muito bem, e não sabe se relacionar com o público, que vive jogando comida nele na rua.


     Em meio a esse turbilhão, David tenta assumir o controle e colocar sua vida nos eixos. Mas, como tudo na vida, nem sempre as coisas são como queremos que sejam.
    Isso tudo me fez pensar bastante. Todos sabemos que a vida não é justa. Ela nos é favorável muitas vezes, é verdade, mas não justa. Quantas vezes já nos vimos em situações complicadas e pensamos: não pode piorar! E piora... A vida é assim mesmo. Faz parte do amadurecimento aprender a aceitar o que somos, o que não podemos mudar, e também, a lutar pelo que queremos ser e podemos mudar! Ótimo filme!


      Nesta cena, o pai (o ótimo Michael Caine) fala com David: "Normalmente o mais difícil de se fazer, e o certo a se fazer, são a mesma coisa. Nada que valha a pena é fácil. Fácil não tem nada a ver com a vida adulta."



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

How I Met Your Mother

Desde o início das séries de tv, um gênero que sempre rendeu boas histórias e personagens é o que aborda os encontros e desencontros da vida de solteiro. Seriados sobre grupos de amigos como "Friends" e "Seinfeld" bateram diversos recordes e conquistaram milhões de fãs pelo mundo.

      Um grande candidato a ser imortalizado é "How I Met Your Mother", literalmente: Como Eu Conheci Sua Mãe. Partindo do relato de um pai para seus filhos em 2030, de como conheceu a mãe deles. Ted, o pai, conta  suas aventuras de solteiro em Nova Iorque com seu grupo de amigos, suas ex-namoradas e casos, enquanto ele não encontra a mulher ideal para casar.

      Os personagens do seriado são muito bons e interpretados por atores muito carismáticos. Nos EUA, o programa é muito popular e já está na sétima temporada. Várias personalidades já fizeram participações, entre elas: Britney Spears, Katy Perry, Jennifer Lopez, Jorge Garcia (Hurley de Lost) e Amanda Peet. No Brasil f…

Jackson Pollock - A História (De Mentira)

Jackson Pollock foi um pintor norte-americano expressionista abstrato. Inovador, ele não usava pincéis ou cavalete. Sua técnica consistia em gotejar ou espalhar a tinta sobre a tela com diversos instrumentos, estando ela no chão. Esta forma de pintura se chama action painting ou gestualismo.

      As obras dele são densas, cheias de nuances. Nunca vi um quadro dele pessoalmente, mas em foto, o efeito das camadas de tinta é de uma textura rica, com profundidade. Adoro arte abstrata! Minha mãe é artista plástica e eu gostaria muito de ter herdado esse talento dela.       Abaixo, algumas telas de Pollock:



     No excelente site sobre arte, mídias e tendências: updateordie.com, vi esta bela animação francesa de Léo Verrier. Uma homenagem em curta-metragem a esse grande artista, Jackson Pollock. Deslumbrante!
Dripped from ChezEddy on Vimeo.

Mallu Magalhães - Pitanga

Mallu Magalhães cresceu e amadureceu, e não apenas fisicamente como pode se perceber na foto. Sua música evoluiu bastante, com claras influências de seu namorado, Marcelo Camelo. E seu último disco, "Pitanga", é delicioso.

      Depois de surgir aos 15 anos como um novíssimo talento da música, e toda super-exposição que veio a seguir, Mallu lançou dois bons discos homônimos. Mas ambos álbuns são baseados em seu estilo voz e violão, com poucas variações, principalmente no segundo, onde ensaia algumas mudanças.

      Neste seu terceiro disco, "Pitanga", Mallu mostra todo seu potencial como cantora e compositora. Destaque para as deliciosas "Baby I'm Sure", "Velha e Louca" e "Sambinha Bom".       Seguem alguns clipes dessas músicas e um belo teaser do álbum "Pitanga" feito por Camelo, exaltando sua musa.