Pular para o conteúdo principal

Do Que Eu Falo Quando Eu Falo De Corrida

      Esse é o meu mais novo livro de cabeceira. Arrebatador! É daqueles livros que você não tem muito como gostar mais ou menos. Ou se adora, ou detesta! Eu adorei por que ele é uma verdadeira lição de vida. Eu sei que esse é o mais batido dos clichês, mas se encaixa perfeitamente ao livro. E é o tipo de lição que me impacta agora.
       O Haruki Murakami é um dos mais celebrados escritores do Japão, e elogiado no mundo inteiro. Seu romance "Norwegian Wood" (homônimo à música dos Beatles) vendeu mais de 20 milhões de cópias no mundo inteiro. Ele já publicou 15 livros, sendo 7 destes traduzidos para o português. 


         Além de romancista, Haruki também é tradutor, maratonista e triatleta. E é aí, nessa combinação inusitada que o livro se estende. Muito bem escrito e bastante envolvente, o autor passa quase 70% do tempo falando sobre correr, 20% sobre escrever e 10% sobre sua vida. O resultado é uma breve biografia introspectiva com o diário de corrida  como destaque. 
         Traçando um paralelo muito feliz entre o correr e o escrever, Haruki expõe sua filosofia de vida: disciplinada, determinada, às vezes obsessiva, mas ao mesmo tempo contemplativa e realista. Não há como não admirar a força de vontade de um homem que decide ser triatleta depois dos 50 anos. Mais ainda, quando ele conta não só os acertos, mas também muitas de suas derrotas.
          Mesmo para aqueles que não gostam de correr (ou especialmente para eles), o livro é pertinente e empolgante. Principalmente porque se pode encarar a corrida dele, como metáfora para qualquer objetivo que se queira alcançar na vida. Uma aula de concentração, força de vontade e superação!

Haruki Murakami

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Janie Jones - A Caminho da Felicidade

Este longa-metragem foi lançado aqui no Brasil sem nenhuma divulgação, e acabou me despertando o interesse pelo contexto musical, mas tive uma imensa surpresa: o filme é muito bom! 

      Na trama, uma garota de 13 anos, Janie Jones (Abigail Breslin) é levada pela mãe, viciada em drogas, (Elisabeth Shue) para conhecer seu pai, Ethan Brand (Alessandro Nivola), um decadente band leader. Mas a mãe acaba sumindo, deixando a filha para o pai cuidar por um tempo, enquanto ela se livra do vício. Em meio à inaptidão de Ethan como pai e uma certa rejeição quanto à sua filha Janie, eles se aproximam, enquanto a banda dele acaba.

      Mesmo a história não sendo muito original, o filme conquista pelas ótimas interpretações e pela excelente trilha sonora alt-country da banda Clem Snide. A sintonia entre a dupla central, pai e filha, é vibrante, principalmente nos momentos em que a música fala mais alto, e percebe-se que o talento musical é hereditário.

     O diretor David M. Rosenthal sou…

Herbert De Perto

O Herbert Vianna foi um dos meus grandes ídolos na adolescência. Ele era o cara! Usava óculos, tocava guitarra e cantava em uma das principais bandas de rock do Brasil, e ainda pegava a Paula Toller!        Ao longo do tempo, continuei muito fã dos Paralamas do Sucesso, e passei a admirar também seu trabalho solo e suas muitas parcerias, com artistas nacionais e estrangeiros. 

      Lembro do documentário "Paralamas em Close-Up", produzido pela HBO, que contava muito da história do grupo e um pouco do rock brasileiro. Muito bom! Quem quiser procurar, tem no Youtube em 13 partes.      Quando aconteceu o acidente com o Herbert eu não pude acompanhar direito. Eu estava trabalhando muito e não sobrava tempo pra nada. Só fui me lembrar dele quando o Paralamas lançou o disco "Brasil Afora" no início de 2009. Acabou que não escutei o álbum direito, mas voltei a ficar curioso sobre o Herbert e sua música.      No final de 2009 foi lançado esse documentário: "Herbert…

Let's Get Lost - Chet Baker

Chet Baker foi um dos maiores músicos de jazz da história. Cantor e trompetista fenomenal, menos virtuoso e muito mais cool que boa parte dos jazzístas da época. Ele transbordava sensibilidade e musicalidade em sua obra. E esse documentário maravilhoso faz jus a seu imenso talento. 

      Todo em preto e branco, com belíssimas imagens, o filme é mais poético que documental. Ele traça toda a turbulenta história de Chet de forma não linear, não se preocupando de início em contar a vida dele, mas em seduzir o espectador com sua música e seu charme.        Os depoimentos são intercalados por cenas de Chet cercado de mulheres e admiradores (entre eles um Flea garotão), e a bordo de um Cadillac conversível, além de muitas imagens dele jovem. As partes mais duras do histórico do jazzista são deixadas para o final: suas prisões, o vício em heroína, o incidente que o fez perder vários dentes e o abandono da ex-mulher e seus quatro filhos. 
      Mas o diretor não busca levantar a verdade ou…