Pular para o conteúdo principal

Mr. Nobody

      Seguindo a indicação do blog Nerds Somos Nozes, que eu recomendo, assisti a esse maravilhoso filme. Realmente, havia muito tempo que eu não via um filme tão bom e reflexivo. O último que me lembro foi "O Curioso Caso De Benjamin Button", que me deixou pensando e repensando várias coisas por muito tempo.

      O filme é extremamente poético, partindo da ciência, como a Teoria Das Cordas, e as 6 dimensões para elocubrar sobre possibilidades e escolhas, ou realidades alternativas. Nada é bem definido no filme, intencionalmente. 
      Ao longo da película, o excelente diretor Jaco Van Dormael vasculha a vida toda de Nemo Nobody, desde antes de seu nascimento, até seu leito de morte com 120 anos, explorando inúmeras probabilidades durante o trajeto. Tudo é possível de ser ou ter sido.
      Com a separação de seus pais, Nemo é obrigado a escolher com quem ficará, numa cena vista e revista na estação de trem. A princípio sua vida se divide entre o que acontece em cada caminho, mas ocorrem outras subdivisões, e mais outras, criando uma teia de possibilidades. Todas girando entre três garotas que ele conhece ainda jovem. Uma delas é uma paixão arrebatadora que seria o amor de sua vida e, de certa forma, se sobrepõe às outras. 
       Esse filme é subjetivo, cheio de simbolismo, às vezes contemplativo, e não procura se explicar. Portanto, não deve agradar a quem gosta de histórias diretas e bem resolvidas.

      Eu me apaixonei pelo filme! Inevitavelmente me fez pensar nas escolhas da vida, caminhos que poderia seguir, realidades diferentes da minha atual. Um bom exercício mental e espiritual, se não se deixar levar pelos arrependimentos. Eu gosto do tema, como já falei em outra postagem (aqui) e ainda vou falar mais sobre isso futuramente.


   
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Herbert De Perto

O Herbert Vianna foi um dos meus grandes ídolos na adolescência. Ele era o cara! Usava óculos, tocava guitarra e cantava em uma das principais bandas de rock do Brasil, e ainda pegava a Paula Toller!        Ao longo do tempo, continuei muito fã dos Paralamas do Sucesso, e passei a admirar também seu trabalho solo e suas muitas parcerias, com artistas nacionais e estrangeiros. 

      Lembro do documentário "Paralamas em Close-Up", produzido pela HBO, que contava muito da história do grupo e um pouco do rock brasileiro. Muito bom! Quem quiser procurar, tem no Youtube em 13 partes.      Quando aconteceu o acidente com o Herbert eu não pude acompanhar direito. Eu estava trabalhando muito e não sobrava tempo pra nada. Só fui me lembrar dele quando o Paralamas lançou o disco "Brasil Afora" no início de 2009. Acabou que não escutei o álbum direito, mas voltei a ficar curioso sobre o Herbert e sua música.      No final de 2009 foi lançado esse documentário: "Herbert…

Janie Jones - A Caminho da Felicidade

Este longa-metragem foi lançado aqui no Brasil sem nenhuma divulgação, e acabou me despertando o interesse pelo contexto musical, mas tive uma imensa surpresa: o filme é muito bom! 

      Na trama, uma garota de 13 anos, Janie Jones (Abigail Breslin) é levada pela mãe, viciada em drogas, (Elisabeth Shue) para conhecer seu pai, Ethan Brand (Alessandro Nivola), um decadente band leader. Mas a mãe acaba sumindo, deixando a filha para o pai cuidar por um tempo, enquanto ela se livra do vício. Em meio à inaptidão de Ethan como pai e uma certa rejeição quanto à sua filha Janie, eles se aproximam, enquanto a banda dele acaba.

      Mesmo a história não sendo muito original, o filme conquista pelas ótimas interpretações e pela excelente trilha sonora alt-country da banda Clem Snide. A sintonia entre a dupla central, pai e filha, é vibrante, principalmente nos momentos em que a música fala mais alto, e percebe-se que o talento musical é hereditário.

     O diretor David M. Rosenthal sou…

Mallu Magalhães - Pitanga

Mallu Magalhães cresceu e amadureceu, e não apenas fisicamente como pode se perceber na foto. Sua música evoluiu bastante, com claras influências de seu namorado, Marcelo Camelo. E seu último disco, "Pitanga", é delicioso.

      Depois de surgir aos 15 anos como um novíssimo talento da música, e toda super-exposição que veio a seguir, Mallu lançou dois bons discos homônimos. Mas ambos álbuns são baseados em seu estilo voz e violão, com poucas variações, principalmente no segundo, onde ensaia algumas mudanças.

      Neste seu terceiro disco, "Pitanga", Mallu mostra todo seu potencial como cantora e compositora. Destaque para as deliciosas "Baby I'm Sure", "Velha e Louca" e "Sambinha Bom".       Seguem alguns clipes dessas músicas e um belo teaser do álbum "Pitanga" feito por Camelo, exaltando sua musa.