Pular para o conteúdo principal

O Dia Que Os Discos Voadores Vieram

       Neil Gaiman, para quem ainda não conhece, é um escritor inglês mega talentoso, fodão, uma verdadeira lenda-viva dos quadrinhos e dos livros. 
       Criador da obra-prima "Sandman" e de outras como "Stardust", "Caçadores de Sonhos", Deuses Americanos", "Os Filhos de Ananzi", Gaiman produz textos da melhor qualidade em qualquer estilo: romances, roteiros, contos ou poesia. Aqui vai uma prova do seu talento em um espetacular poema.

O Dia Que Os Discos Voadores Vieram
       
Naquele dia, os discos voadores aterrissaram. Centenas deles, dourados,
Em silêncio, descendo dos céus como se fossem grandes flocos de neve,
E, os Terráqueos, estavam parados e observavam, enquanto eles desciam,
Na espera, com bocas secas, aguardando para descobrir o que nos esperava lá dentro,
E nenhum de nós sabia se haveria amanhã,
Mas você não notou isso porque,

Naquele dia, no dia em que os discos voadores chegaram, por alguma coincidência,
Foi o dia em que os túmulos abriram mão de seus mortos,
E os zumbis empurraram e atravessaram a terra macia
ou irromperam dela, andando com dificuldade, com olhares vazios, impossíveis de serem parados,
E vieram até nós, os vivos, e nós gritamos e corremos,
Mas você não notou nada disso porque,

No dia do disco voador, que foi o dia dos zumbis, também foi
o dia do Ragnarok, e elas telas das televisões nos mostravam
Um navio construído com unhas de homens mortos, umas serpentes, um lobo,
Tudo isso maior do que a mente poderia conter, e o câmera-man não conseguia
Ir longe o suficiente, e então os Deus saíram, e se mostraram,
Mas você não viu os deuses chegarem porque,

No dia em que os deuses batalharam com os zumbis e discos voadores, as barragens se romperam
E cada um de nós foi engolfado por gênios, elfos, fadas, goblins e diabretes,
Oferecendo a nós desejos e maravilhas e eternidades,
E amuletos e esperteza e verdadeiros corações valentes e potes de ouro,
Enquanto gigantes bravejavam, vaporizando a terra em seu caminho, e abelhas assassinas,
Mas você não fazia a mínima ideia disso porque,

Naquele dia, no dia dos discos voadores, no dia dos zumbis,
No dia do Ragnarok, e no dia das fadas, no dia em que os grandes ventos vieram,
E a neve veio, e as cidades transformaram-se em cristal, no dia
Em que todas as plantas morreram, no dia em que
Os computadores foram ligados, com suas telas nos dizendo que deveríamos obedecer, no Dia
Em que os anjos, bêbados e confusos, tropeçavam pelos bares,
E todos os sinos de Londres ressoaram, no Dia
Em que os animais falaram conosco em assírio, no dia do Ieti,
Das capas que tremeluziam e da chegada do dia da Máquina do Tempo,
Você não percebeu nada disso porque,

Estava sentada em seu quarto, sem fazer nada…
Nem mesmo lendo,
Apenas olhando para o seu telefone,
Se perguntando se eu iria lhe telefonar.

Neil Gaiman

Comentários

Giovani Iemini disse…
o tudo e o nada, o universo e a casca de ovo, o amor e o vazio.
bonzão!
Robson Batt disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Robson Batt disse…
Falou bonito! Gostei do comentário!

Postagens mais visitadas deste blog

Ayo - Joyful + Gravity At Last + Billie-Eve

Esta cantora alemã/nigeriana não é muito conhecida por aqui. Mas é um imenso talento já aclamado na Europa. Ouvi sua música pela primeira vez há alguns anos, quando baixei seu excelente álbum "Joyful", de 2006. Este inclusive, recebeu diversos discos de ouro e platina no velho continente.

      Na verdade é até difícil dizer qual de seus três discos é o melhor. Em todos ela imprime elegância e personalidade com sua bela e marcante voz. Passeando por diversas vertentes, suas canções flertam com o reggae, soul, blues, e até com o rock. 

      Mas o segundo, "Gravity At Last" (2008) é definitivamente o mais conciso, mesclando reggae e música africana. O terceiro trabalho lançado, "Billie-Eve" (2011), tem o nome de sua filha e é o mais pop entre eles.

      Destaque para as canções "Down On My Knees" do primeiro álbum, "Change" do segundo, e a contagiante "We've Got To" do terceiro. Além de uma ótima versão de "I …

Jackson Pollock - A História (De Mentira)

Jackson Pollock foi um pintor norte-americano expressionista abstrato. Inovador, ele não usava pincéis ou cavalete. Sua técnica consistia em gotejar ou espalhar a tinta sobre a tela com diversos instrumentos, estando ela no chão. Esta forma de pintura se chama action painting ou gestualismo.

      As obras dele são densas, cheias de nuances. Nunca vi um quadro dele pessoalmente, mas em foto, o efeito das camadas de tinta é de uma textura rica, com profundidade. Adoro arte abstrata! Minha mãe é artista plástica e eu gostaria muito de ter herdado esse talento dela.       Abaixo, algumas telas de Pollock:



     No excelente site sobre arte, mídias e tendências: updateordie.com, vi esta bela animação francesa de Léo Verrier. Uma homenagem em curta-metragem a esse grande artista, Jackson Pollock. Deslumbrante!
Dripped from ChezEddy on Vimeo.

Stand By Me - Conta Comigo

Esse filme tem um valor sentimental para mim. Na verdade, tanto o filme quanto a trilha sonora.        Foi a primeira vez que eu fui ao cinema sozinho. Adorei a experiência! Não só pelo filme, me apaixonei pela sala escura, pelo ritual do refrigerante, pipoca doce, trailers e esquecer do mundo lá fora por pelo menos uma hora e meia. Daí pra frente eu repetiria essa experiência em inúmeras tardes de sábado.

     Muita gente já deve ter visto na TV, mas a história é bem simples: um grupo de amigos, formado por quatro garotos, fica sabendo do cadáver de um menino que foi achado na linha do trem, e resolvem fazer uma expedição até lá. Durante a aventura, os inseparáveis amigos se aproximam mais, cada um mostrando suas fraquezas e, nesse primeiro passo para o amadurecimento, percebem que sua amizade não durará mais que um verão.       Os garotos são ótimos! Todos continuaram atuando em séries de tv ou filmes menores, com exceção de River Phoenix, o garoto rebelde. Ele começou uma promis…