Pular para o conteúdo principal

A Rede Social e David Fincher

       Gostei do filme! Não o achei maravilhoso como outros do mesmo diretor. Mas é muito bem feito! O David Fincher nos presenteou com alguns dos mais memoráveis filmes das história: Seven, Clube da Luta e O Curioso Caso de Benjamin Button. 
       Neste caso, como em Zodíaco, o filme é um tanto prolixo, talvez intencionalmente, e isso afasta um pouco o público que não está disposto a assimilar tanta informação em pouco tempo. Mas, como em todo filme dele as atuações são muito boas: Jesse Eisenberg principalmente, está irretocável, com seu Mark Zuckerberg introspectivo e introvertido, mal contendo seu imenso ego. Até o Justin Timberlake está muito bem como o talentoso oportunista Sean Parker, criador do falecido Napster.
       A trama é boa e o filme envolve, tão logo se acostume com a quantidade de diálogos e informações técnicas. E mostrou a todos que é possível  se contar até a história de uma rede social, desde que de forma pertinente.
       Destaco duas cenas do filme: na primeira é durante um dos processos, em que Mark mostra a todos que ele não se acha melhor que os outros. Ele tem certeza!


       A segunda cena é da disputa de remo em Henley. Fantástica! Mesclando o ambiente antigo, nos cenários e figurantes, com o moderno nos atletas e na maravilhosa trilha sonora eletrônica. Não tem muito a ver com o resto do filme, mas mostra que o David Fincher é um dos melhores diretores do mercado norte-americano. Vejam outra sequência sensacional em outra postagem que eu fiz aqui.




Comentários

Jujubinhasdd disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Jujubinhasdd disse…
Eu gostei do filme, mas não achei fantástico nem nada parecido.O livro é melhor, e até aqui nenhuma novidade, porém eu acho que o livro passa impressões diferentes dos personagens, não sei, mas é um filme de entreterimente legal, com muita informação, e diálogos rapidos, como no início do filme, quando o Mark conversa com a namorada.Desde ali tu já tem uma premissa do resto.
Alcy Filho disse…
Rapaz, eu achei fantástico por quatro motivos:
1º - O clima. É simplesmente cativantes. Veja a cena inicial em que Mark caminha até Harvard. Linda!
2º - Atuações sem exageros e que me convenceram.
3º - Roteiro muuuito bom. Convenhamos que a premissa não é lá muito interessante. Mas o desenrolar dos fatos é!.
4º - Não subestima o espectador. Quase te joga na cara: "não entendeu? pesquise!", meio prepotente, mas ousado.

Para mim, em qualidade, compara-se aos outros do David Fincher. Menos ao Clube da Luta, que perfeito.

Ah...! Legal sua crítica. Sem muitos floreios, só com o necessário. Boa de ler :)
Robson Batt disse…
Eu achei o filme bom! Não é dos melhores do David Fincher, nem foi o melhor dos que concorreram ao Oscar.
Como eu não li o livro, não tenho como dizer sobre a abordagem de cada personagem. Mas, como você falou, o livro é sempre melhor (salvo raríssimas excessões)!
Na minha opinião, o grande mérito do diretor foi trazer toda essa urgência por informação dos dias de hoje, e que faz o Facebook ser pertinente, para dentro do filme por meio desses diálogos rápidos.
Robson Batt disse…
Concordo contigo em todos os pontos!
Obrigado!
Gostei muito do seu blog!
Vou visitá-lo mais vezes.

Postagens mais visitadas deste blog

Herbert De Perto

O Herbert Vianna foi um dos meus grandes ídolos na adolescência. Ele era o cara! Usava óculos, tocava guitarra e cantava em uma das principais bandas de rock do Brasil, e ainda pegava a Paula Toller!        Ao longo do tempo, continuei muito fã dos Paralamas do Sucesso, e passei a admirar também seu trabalho solo e suas muitas parcerias, com artistas nacionais e estrangeiros. 

      Lembro do documentário "Paralamas em Close-Up", produzido pela HBO, que contava muito da história do grupo e um pouco do rock brasileiro. Muito bom! Quem quiser procurar, tem no Youtube em 13 partes.      Quando aconteceu o acidente com o Herbert eu não pude acompanhar direito. Eu estava trabalhando muito e não sobrava tempo pra nada. Só fui me lembrar dele quando o Paralamas lançou o disco "Brasil Afora" no início de 2009. Acabou que não escutei o álbum direito, mas voltei a ficar curioso sobre o Herbert e sua música.      No final de 2009 foi lançado esse documentário: "Herbert…

Janie Jones - A Caminho da Felicidade

Este longa-metragem foi lançado aqui no Brasil sem nenhuma divulgação, e acabou me despertando o interesse pelo contexto musical, mas tive uma imensa surpresa: o filme é muito bom! 

      Na trama, uma garota de 13 anos, Janie Jones (Abigail Breslin) é levada pela mãe, viciada em drogas, (Elisabeth Shue) para conhecer seu pai, Ethan Brand (Alessandro Nivola), um decadente band leader. Mas a mãe acaba sumindo, deixando a filha para o pai cuidar por um tempo, enquanto ela se livra do vício. Em meio à inaptidão de Ethan como pai e uma certa rejeição quanto à sua filha Janie, eles se aproximam, enquanto a banda dele acaba.

      Mesmo a história não sendo muito original, o filme conquista pelas ótimas interpretações e pela excelente trilha sonora alt-country da banda Clem Snide. A sintonia entre a dupla central, pai e filha, é vibrante, principalmente nos momentos em que a música fala mais alto, e percebe-se que o talento musical é hereditário.

     O diretor David M. Rosenthal sou…

Mallu Magalhães - Pitanga

Mallu Magalhães cresceu e amadureceu, e não apenas fisicamente como pode se perceber na foto. Sua música evoluiu bastante, com claras influências de seu namorado, Marcelo Camelo. E seu último disco, "Pitanga", é delicioso.

      Depois de surgir aos 15 anos como um novíssimo talento da música, e toda super-exposição que veio a seguir, Mallu lançou dois bons discos homônimos. Mas ambos álbuns são baseados em seu estilo voz e violão, com poucas variações, principalmente no segundo, onde ensaia algumas mudanças.

      Neste seu terceiro disco, "Pitanga", Mallu mostra todo seu potencial como cantora e compositora. Destaque para as deliciosas "Baby I'm Sure", "Velha e Louca" e "Sambinha Bom".       Seguem alguns clipes dessas músicas e um belo teaser do álbum "Pitanga" feito por Camelo, exaltando sua musa.